Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Cabocla Cheirosa: Delícia santarena pelas mãos do chef Mário Call

Ele nasceu em Belém, mas se considera santareno de coração, e carrega como característica profissional a regionalidade quando está no comando de uma cozinha

Ândria Almeida

O Cozinha Tapajônica de O Liberal de hoje apresenta o chef Mário Call, que atua há mais de 12 anos no ramo da gastronomia em Santarém. Ele nasceu em Belém, mas se considera  santareno de coração, e carrega como característica profissional a regionalidade quando está no comando de uma cozinha. Nesse contexto, preparou para a equipe de reportagem um menu já conhecido, no entanto, preparado com ingredientes nada tradicionais como a entrada de linguiça de Pirarucu e jambu embutidos na tripa de cordeiro, servido com aviú. Para o prato principal, Mário preparou o Cabocla Cheirosa que é o  peixe Filhote, grelhado na manteiga, acompanhado de tucupi com jambu e o sagu que faz uma releitura de caviar, feita com produtos da Amazônia para reproduzir a iguaria francesa.

'Cabocla Cheirosa' uma das delícias do chef Mário Call (Ândria Almeida)

O chef é especialista na arte da charcutaria, que consiste em técnicas para conservação de carnes diversas, voltado para fabricação de linguiças artesanais, bacon, pastrami e rosbife com baixo nível de sódio, gordura e zero corante sintético, além de conter 100% de proteína. Na atuação conduzindo as panelas ele utiliza técnicas europeias com os insumos da Amazônia.

VEJA MAIS

Liquida Santarém: Maior campanha promocional do oeste do Pará será lançada em 30 de julho
As últimas edições do Liquida tiveram um impacto econômico acima de oito milhões de reais, conforme pesquisa desenvolvida pelo SEBRAE

Centro Tecnológico para pesquisas minerais será implantado no oeste do Pará
A iniciativa é da Fundação Alcoa em parceria com a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), que recebeu o investimento no valor de R$ 2,3 milhões

Conheça o prato indígena que ficou em segundo lugar no 'EnchefsPará'
O chef Zena coleciona premiações e reconhecimentos pelo trabalho com a gastronomia indígena

Bacon de peixe: conheça uma das delícias da ‘Cozinha Tapajônica’
O prato de lançamento foi preparado pelo chef Ricardo Branches que trouxe uma técnica exclusiva de preparo do peixe

Mário tem um restaurante dentro do boliche de Santarém, recém-inaugurado, além de atuar na venda de sanduíches com uma pegada mais saudável, com carnes especiais como, pernil, carnes defumadas no formato food trucks.

Entrada: Linguiça de pirarucu com jambu

Para iniciar o nosso passeio pela culinária tapajônica, Mario preparou a linguiça de pirarucu frita na frigideira com azeite, o ponto certo para retirada do fogo é quando ela apresenta a cor dourada. A entrada é  acompanhada de um refogado de aviú com cebola, alho e tomate. O chef finaliza com um toque de canela e colorau defumado,e folhas da erva  amazônica aromática caatinga de mulata.

O sabor da linguiça remete ao peixe com um toque de defumado. Quando misturado ao refogado de aviú, traz um sabor levemente agridoce.

Para o chef, a paixão pela culinária iniciou ainda na adolescência. Ele conta que o pai é médico, mas sempre teve o dom da cozinha.

“Ele tinha um restaurante por diversão. Eu não tinha como seguir outro caminho, me inspirei nele”, disse.

Cabocla cheirosa

Para preparar o prato Cabocla Cheirosa, o peixe filhote deve ser cortado e grelhado na manteiga. “Nesse processo eu coloco o corte mais bonito do peixe para baixo, porque é o lado que vou servir para cima na mesa”, detalhou.

Com o peixe no processo de fritura, Mário acrescenta o sal a gosto, e algumas gotas de limão. Depois do peixe já dourado dos dois lados, é adicionado um pouco de água na frigideira que é tampada por 3 minutos para cozinhar o peixe.

Molho de tucupi 

O molho é feito à base de um refogado inicialmente de cebola e alho picados, até ficarem transparentes, depois entra o tomate, pimenta de cheiro, cebolinha e por último o jambu, já pré-cozido. além do toque de cumaru e canela. Dentro do refogado é acrescentado o molho de tucupi que  fica por 5 minutos no fogo para reduzir e está pronto.

Caviar da Amazônia: Sagu hidratado com tucupi 

Neste preparo, o mestre da cozinha leva uma frigideira com porção de sagu ao fogo, hidratando com o tucupi já cozido. Quando as bolinhas estiverem com a cor do tucupi e com uma leve transparência é hora de desligar o fogo para montar o prato.

 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ