Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Varíola dos macacos: OMS acerta ao pedir que gays reduzam o número de parceiros sexuais?

Partes dos especialistas avalia que a orientação foi correta. Outros temem leituras equivocadas

Luciana Carvalho

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou na última quarta-feira, 27, que "homens que fazem sexo com homens" diminuam o número de parceiros, de relações sexuais e de exposição ao vírus. Parte dos especialistas avalia que a orientação foi correta, uma vez que esse grupo representa cerca de 98% dos casos, de acordo com os dados da OMS. Outros, porém, temem leituras equivocadas do alerta. As informações são do portal O Estado de S.Paulo.

"Esse é um surto que pode ser parado se os países e regiões se informarem, levarem o risco a sério e derem os passos necessários para impedir a transmissão e proteger os grupos vulneráveis", disse Tedros Adhanom, diretor da OMS. "A melhor forma de fazer isso é diminuir o risco de exposições. Para homens que fazem sexo com homens, isso inclui, no momento, diminuir o número de parceiros sexuais, reconsiderar o sexo com novos parceiros e trocar detalhes de contato com os parceiros para possibilitar o acompanhamento, se necessário".

No entanto, o diretor da OMS alertou também que qualquer pessoa exposta pode contrair a varíola dos macacos. "Por isso, a OMS recomenda aos países que também cuidem de outros grupos vulneráveis, como crianças, gestantes e imunodeprimidos".

VEJA MAIS

Primeira morte por varíola dos macacos é confirmada na Índia, sendo o primeiro caso fatal na Ásia
Esse é o quarto caso fatal no mundo fora da África

Varíola dos macacos: Santarém tem primeiro caso suspeito sendo investigado
É o primeiro caso suspeito publicamente notificado e sendo investigado no Pará

Varíola dos macacos: Brasil vai receber antiviral para enfrentamento da doença
A informação foi dada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em suas redes sociais

A infectologista Raquel Stucchi, da Sociedade Brasileira de Infectologia, avalia que a recomendação feita pela OMS foi um “acerto”, pois mais de “90% dos casos confirmados acontecem na população de homens que fazem sexo com homens, através do contato íntimo, de pele com pele”. “Não falar sobre isso, com medo de estigmatizar, é ser leviano. Compartilhar ou não uma orientação adequada pode mudar o curso deste surto, no sentido de bloquear a transmissão.”

Raquel, inclusive, diz que a orientação chegou tardiamente. Fábio Araújo, infectologista que atende no Instituto Emílio Ribas e no Centro de Referência e Treinamento para DST/Aids de Santa Cruz, concorda. “Essa fala já era necessária há dois, três meses atrás”, pondera. “Chegou atrasada, mas antes tarde do que nunca”.

A infectologista Rosana Richtmann, da SBI, também classifica a recomendação como “necessária”, com base em sua experiência de consultório. “Até uma semana atrás, os meus pacientes, homens que fazem sexo com homens não estavam a par do que estava acontecendo, porque ninguém estava falando claramente”, conta. “Neste momento, que a gente infelizmente ainda não tem vacina disponível no nosso País, não tem um tratamento disponível no País, temos sim de falar sobre a prevenção em termos de contato”.

Rosana atenta que o problema não está necessariamente na relação sexual, mas sim na atividade sexual. “Durante a atividade sexual, você vai ter necessariamente o contato pele e a pele, mais íntimo e mais prolongado, que é exatamente a forma de transmissão desse vírus, pelo menos a mais importante”, explica.  

Flávio Guimarães da Fonseca, presidente da Sociedade Brasileira de Virologia (SBV) e professor do Departamento de Microbiologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), avalia que a orientação tem “cabimento”, mas que “tomada fora de contexto”, pode “causar confusão”. Ele frisa que é preciso compreender que essa doença não é “exclusiva” de homens que fazem sexo com homens. “Não é uma questão fisiológica, é comportamental”, explica. “É natural que, quando ela começa dentro de um grupo que se interrelaciona, afete mais esse grupo, mas depois se dissemina”.

Quanto a isso, Marcelo Otsuka, infectologista e vice-presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP), cita os três casos confirmados em crianças na capital paulista. “Ainda não sabemos como foi a forma de transmissão”.

Otsuka teme que a mensagem da OMS leve a conclusões equivocadas. Principalmente, ao relacionar a transmissão unicamente a relações sexuais. “Jamais poderemos esquecer que existem outras formas de transmissão”, fala.

O sanitarista Gonzalo Vecina, porém, enquanto especialista em saúde pública, diz ser “muito difícil” fazer uma “comunicação mundial completa”. Ele destaca que o comunicado da OMS foi um “disparador”. “Nós, do setor de saúde, temos que fazer a complementação", conclui. Vecina presidiu a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e foi secretário municipal de Saúde de São Paulo. 

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO