Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Pesquisadores detectam traços do vírus da varíola dos macacos em pacientes sem sintomas

Cientistas ainda não sabem se pessoas sem sinais da doença podem transmiti-la, mas confirmam a necessidade de vacinar o grupo de risco

Luciana Carvalho

No surto atual da varíola dos macacos, a principal forma de transmissão do vírus monkeypox tem sido pelo contato com as feridas de pessoas infectadas. Até o momento, os sintomas apresentados pelos pacientes infectados são cansaço, fadiga, febre e lesões semelhantes a pústulas com pus. No entanto, pesquisadores descobriram que alguns indivíduos podem ter se contaminado com o vírus e continuar assintomáticos. As informações são do portal Metrópoles.

Como parte de um serviço de vigilância em pacientes que tomam medicamentos contra o HIV ou o PrEP (preventivo), os médicos do hospital Bichat-Claude Bernard, em Paris, na França, recolheram amostras do ânus de 200 pacientes homens usando um swab. O exame mostrou que 13 pessoas (6,5% dos participantes) testaram positivo para a varíola dos macacos. Desses, apenas dois desenvolveram sintomas da doença nos dias seguintes.

VEJA MAIS

Varíola dos macacos: Pará tem mais um caso suspeito nesta quarta-feira (17)
Novo caso foi registrado em Santarém, que passa a acumular 7 pacientes em investigação

Varíola dos macacos: primeiro caso de infecção em cachorro é registrado na França
A hipótese é de que o pet tenha contraído a doença de seus donos

Varíola dos macacos: calendário de vacinação no Brasil pode sair nesta semana
Prioridade será para profissionais de saúde que lidam com a doença

 Apesar de os homens estarem com o vírus, os pesquisadores não sabem dizer se eles eram capazes de transmiti-lo, ou se a quantidade do patógeno presente foi suficiente para contaminar o paciente.

Os pesquisadores responsáveis pelo levantamento escreveram, em artigo publicado na revista científica Annals of Internal Medicine, que, apesar de não se saber o risco de transmissão, os resultados confirmam a necessidade de vacinar o grupo considerado de risco para evitar que mais pessoas sejam infectadas.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO