Pele de homem escurece após uso de antidepressivo; entenda

Tyler Monk relata que algumas partes do corpo mudaram de cor durante o tratamento médico e ainda não voltaram para o tom natural

Maiza Santos

Um norte-americano chamado Tyler Monk, de 34 anos, ficou com a pele escurecida após iniciar um tratamento para depressão e ansiedade. Considerado um caso extremamente raro, os médicos acreditam se tratar de uma reação do organismo à fluoxetina, substância presente no medicamento Prozac, popular em vários países, inclusive no Brasil. Entenda.

VEJA MAIS

Banho em excesso pode fazer mal à pele; saiba quais cuidados tomar no verão para manter a saúde
Frequência, duração e produtos usados no banho requerem atenção especial, afirma dermatologista

Protetor solar: aliado importante na prevenção do câncer de pele
Essa é a regra, se quiseres diminuir não apenas o envelhecimento da pele, mas também os riscos de desenvolver câncer de pele

Manchas na pele podem afetar consideravelmente a autoestima
O melasma, por exemplo, exige um tratamento associado entre cuidados no consultório, com tecnologias menos agressivas, e em casa, com clareadores

De acordo com Tyler, ele começou a usar o remédio em janeiro de 2021, após ser diagnosticado com ansiedade e depressão. Dois meses depois, a pele das orelhas, pescoço e rosto ganhou um tom de azul acinzentado, que logo se espalhou para os braços, mãos e pernas. Mesmo interrompendo o tratamento algumas semanas depois, a pele continuou a escurecer. Além de tudo, ele relata ter ficado sensível ao sol e com os olhos irritados e extremamente vermelhos.

“Primeiro, eles pensaram que era fotossensibilidade, ou seja, estava tendo uma reação à luz. Porém, mesmo me cobrindo, ainda estou ficando mais escuro. Não consigo nenhuma resposta dos especialistas, então decidimos postar no TikTok”, disse Tayler em sua conta na rede social. 

 

@emymonk4 Medication turned him grey!! #depressionanxiety #medication #medicalmystery #fyp #DoritosDareToBeBurned #mentalhealthmatters #doctorsoftiktok ♬ original sound - Emily Monk

 

Os médicos consultados pelo homem descartaram a relação dos sintomas com outras doenças ou condições autoimunes. “Os especialistas disseram que eu estava saudável, e eu não tinha outros sintomas importantes. O fato é que eles realmente não sabem porque eu estou mudando de cor”, disse.

O diagnóstico não está concluído, mas a principal suspeita é que o americano tenha desenvolvido uma reação à fluoxetina. O antidepressivo é da classe dos inibidores seletivos da receptação da serotonina (ISRS), que pode regular a síntese de melanina, pigmento que dá cor à pele.

 

@emymonk4 Update #2 of my hubby! Did the meds make his depression worse? Why we cant see other docs? A surprise! #greyman #mentalhealth #anxiety #medicalmystery #tueninggrey #updates #worldwide #findinganswers #fyp #viralvideo #tiktokviral #melanin #melaninpoppin #autoimmunedisease @tmonk88 #eatingcornstarch #euphoria #vibewithus #hmautumnhaul ♬ original sound - Emily Monk

 

(Estagiária Maiza Santos, sob supervisão da editora Web de OLiberal.com, Ana Matos)

 

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO