Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Papa se manifesta e chama de ‘loucura’ o uso de armas nucleares na Ucrânia

O pronunciamento do religioso é uma resposta ao presidente russo, Vladimir Putin, que alertou o Ocidente sobre a possibilidade de usar os armamentos para defender a Rússia

Maiza Santos

Após o presidente russo Vladimir Putin afirmar que irá usar armas nucleares para defender a Rússia em caso de ataque, o papa Francisco criticou e chamou de ‘loucura’ a ideia do ataque mortal. Nesta quarta-feira (21), o religioso comentou a situação tensa vivida no continente.

VEJA MAIS

Na ONU, Biden diz a Putin: 'Não se pode vencer em uma guerra nuclear'
Após ameaça de presidente russo de usar armas nucleares, líder norte-americano reage na Assembleia das Nações Unidas

Putin ameaça usar armas nucleares e convoca 300 mil reservistas em pronunciamento inédito
Discurso ameaçador do presidente da Rússia após rápida contraofensiva da Ucrânia preocupou o Ocidente

Vendas de passagens para sair da Rússia disparam após anúncio de convocação de reservistas
Pronunciamento do presidente Vladimir Putin levantou temores de que homens em idade para lutar sejam impedidos de sair do país

Putin alertou o Ocidente de que não está blefando sobre a possibilidade de usar o arsenal do país contra os inimigos. Criticando a situação, o papa Francisco chegou a dizer que os ucranianos estão sendo submetidos a selvageria, monstruosidades e tortura. Também os chamou de ‘povo nobre’, por estarem sendo martirizados.

Ao comentar sobre o discurso que fez durante a viagem ao Cazaquistão na semana passada, em sua audiência geral na Praça de São Pedro, o papa relatou que elogiou o país da Ásia Central por desistir de armas nucleares após sua independência da União Soviética em 1991.

“Isso foi corajoso. Em um momento nesta guerra trágica em que alguns estão pensando em armas nucleares, o que é uma loucura, este país disse ‘não’ às armas nucleares desde o início”, disse Francisco.

Sem citar a Rússia ou Putin, o papa contou à multidão sobre uma conversa que teve na terça-feira com o cardeal Konrad Krajewski, chefe de caridade que está prestando ajuda na Ucrânia.

“Ele (Krajewski) me falou da dor dessa gente, dos atos selvagens, da monstruosidade, dos corpos torturados que encontram. Vamos nos unir a essa gente tão nobre e martirizada”, disse.

(Estagiária Maiza Santos, sob supervisão da editora Web de OLiberal.com, Ana Matos)

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO