CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Misturar bebidas energéticas com álcool pode afetar a memória e área do aprendizado, aponta pesquisa

A afirmação foi feita após estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Cagliari e da Universidade de Catania, na Itália.

O Liberal

Misturar bebidas energéticas com álcool pode causar problemas de longo prazo na função cognitiva, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Cagliari e da Universidade de Catania, na Itália. Isso aumenta a preocupação sobre os hábitos de consumo de álcool.

Os experimentos foram feitos em ratos adolescentes machos que receberam álcool, bebidas energéticas ou uma mistura de ambos. Vários testes padrão foram usados para avaliar a função cognitiva — incluindo exames cerebrais e testes comportamentais — até 53 dias após a ingestão. A experiência mostrou que os animais que consumiram as bebidas mistas apresentaram mudanças duradouras em sua capacidade de aprender e lembrar, assim como mudanças na parte do hipocampo do cérebro — a área responsável pelo aprendizado e pela memória.

VEJA MAIS

image Suco de frutas do Pará: veja 5 opções para se refrescar no verão amazônico e como fazer cada bebida
Sucos naturais são ótimas opções durante os períodos de calor mais intenso na região paraense

image Mesmo mais caro, guaraná da Amazônia movimenta Praça Brasil, em Belém
A tradicional bebida continua atraindo moradores e turistas, com expectativas de vendas ainda maiores para a COP 30.

image Comissão aprova PL que aumenta pena para quem oferece bebida alcoólica a criança e adolescente
Projeto segue para análise da CCJ e do Plenário

Mesmo que os ratos que consumiram álcool e bebidas energéticas tenham mostrado inicialmente um aumento em certas métricas e funções cerebrais — incluindo um aumento em uma proteína que impulsiona o crescimento dos neurônios — esses benefícios não duraram e, com o tempo e na idade adulta, houve um declínio na capacidade cerebral.

"Nossos resultados mostram que o consumo de álcool misturado a bebidas energéticas durante o período peri-adolescente produz alterações adaptativas no hipocampo nos níveis eletrofisiológico e molecular, associadas a alterações comportamentais, que já são detectáveis durante a adolescência e persistem na idade adulta", afirmam os pesquisadores.

Em particular, parece que a plasticidade do hipocampo pode ser afetada, prejudicando a capacidade do cérebro de se adaptar e mudar em resposta a novas informações e demandas. É uma parte crucial do funcionamento normal do cérebro.

Sabemos que o álcool e as bebidas energéticas são populares entre os jovens por vários motivos – desde festas noturnas até sessões de estudo até tarde da noite – e as implicações desta pesquisa são que esses hábitos podem estar causando alguns danos a longo prazo.

Os pesquisadores afirmam que os resultados desse experimento ainda precisam ser testados em humanos e que, provavelmente, haverá diferenças entre os sexos devido a interações hormonais que eles não conseguiram explorar neste estudo. Entretanto, as descobertas sugerem que as preocupações com a saúde em relação às bebidas energéticas são justificadas.

"No geral, a análise de todo o conjunto de dados obtidos sugere fortemente que o álcool misturado com bebidas energéticas, durante a adolescência, pode ter consequências que não são necessariamente a soma daquelas observadas com etanol ou bebidas energéticas isoladamente e afetar permanentemente a plasticidade do hipocampo", escrevem os pesquisadores.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO