CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Milhares de israelenses protestam contra Netanyahu em Jerusalém e pedem eleições imediatas

A polícia entrou em confronto com manifestantes, que acusam o governo de ter perdido o controle da guerra

Estadão Conteúdo
fonte

Dezenas de milhares de israelenses foram às ruas de Jerusalém nesta segunda-feira (17/6) para protestar contra o primeiro ministro Binyamin Netanyahu, pedindo eleições imediatas e o fim da guerra em Gaza.

Muitos israelenses acusam o governo de ter perdido o controle da guerra que já dura oito meses e exigem um acordo para parar o grupo terrorista Hamas devolver os reféns. Netanyahu nega as acusações e diz que mantém os melhores interesses do país em mente.

A polícia entrou em confronto com manifestantes fora da residência de Netanyahu, usando canhões de água contra aqueles que romperam as barreiras policiais. De acordo com a imprensa israelense, oito manifestantes foram presos.

O primeiro-ministro dissolveu nesta segunda-feira o gabinete de guerra encarregado de dirigir a guerra em Gaza, uma semana depois de um dos seus três membros ter renunciado ao governo de coligação de Netanyahu. Benny Gantz, um legislador da oposição, juntou-se ao Gabinete de guerra nos primeiros dias da guerra como uma demonstração de unidade nacional. Ele abandonou a coalizão de governo há uma semana, após dar um ultimado a Netanyahu pedindo por um plano de pós-guerra para Gaza.

As principais políticas de guerra serão agora aprovadas exclusivamente pelo Gabinete de segurança de Netanyahu - um órgão maior dominado por linhas duras que se opõem à proposta de cessar-fogo apoiada pelos EUA e querem avançar com a guerra. A dissolução do gabinete de guerra distancia ainda mais Netanyahu dos políticos centristas mais abertos a um acordo de cessar-fogo com o Hamas.

A medida também dá a Netanyahu margem de manobra para prolongar a guerra e permanecer no poder. Os críticos de Netanyahu o acusam de adiar o fim do conflito em Gaza porque o fim da guerra significaria uma investigação sobre as falhas do governo em 7 de outubro e aumentaria a probabilidade de novas eleições quando a popularidade do primeiro-ministro for baixa.

"Viemos nos manifestar de novo, pela 50ª vez, estamos aqui, em Tel-Aviv, em todo lugar", disse o manifestante Dror Katzman, "para nos livrarmos deste governo corrupto, que não liberta os reféns, que dirige a guerra de uma forma grosseira e é responsável pelo pior, pior ataque terrorista contra nós desde o Holocausto."

Grandes protestos contra o governo ocorreram semanalmente nas noites de sábado. O protesto desta segunda-feira em Jerusalém foi liderado por muitos dos mesmos ativistas que comandaram os protestos contra Netanyahu e as suas tentativas de reformar o poder judicial em 2023.

Os manifestantes marcharam do lado de fora do Knesset, o parlamento de Israel, até a casa de Netanyahu carregando bandeiras israelenses e gritando frases antigovernamentais.

"Por sua causa estamos morrendo, saiam de nossas vidas", proclamava uma placa dos manifestantes, com uma foto de Netanyahu e marcas de mãos ensanguentadas. Outros fizeram referência aos 11 soldados mortos em Gaza no fim de semana, um dos mais mortíferos para os soldados israelenses em meses, segurando uma placa que dizia "Soldados combatentes recusam-se a ser mortos por causa de Bibi", usando um apelido para Netanyahu.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO