França decreta estado de emergência em Nova Caledônia e proíbe TikTok

Os protestos eclodiram em resposta a uma reforma do censo eleitoral promovida pelo governo francês que, segundo os líderes do povo indígena kanak, diluirá sua influência nas instituições do território

Mathurin DEREL / AFP
fonte

A França mobilizou tropas, nesta quinta-feira (16), na Nova Caledônia, um território do Pacífico em estado de emergência após quatro dias de distúrbios que deixaram centenas de feridos e quatro mortos, além da morte acidental de um membro da força de segurança. Os protestos eclodiram em resposta a uma reforma do censo eleitoral promovida pelo governo francês que, segundo os líderes do povo indígena kanak, diluirá a influência nas instituições do território. 

Desde segunda-feira (13), o arquipélago tem sido palco de confrontos entre manifestantes e policiais, saques de comércios, incêndios de prédios públicos e de escolas e tiroteios. A noite de quarta-feira foi "menos violenta" que as duas anteriores, embora tenham ocorrido "confrontos muito importantes", segundo Louis Le Franc, representante do Estado nesse território colonizado pela França em meados do século XIX. 

A situação levou o presidente francês, Emmanuel Macron, a impor um regime de exceção que entrou em vigor às 5h de quinta-feira (15h de quarta-feira) e que permite restringir a liberdade de circulação e de reunião.  Por sua vez, o primeiro-ministro, Gabriel Attal, anunciou o envio do Exército "para proteger os portos e o aeroporto da Nova Caledônia", a aplicação de um toque de recolher e a proibição do TikTok, que, segundo ele, está sendo usado pelos manifestantes.

Attal também anunciou o envio de mais 1.000 policiais e gendarmes para lidar com a situação, que "continua muito tensa". As autoridades francesas indicaram que quatro pessoas morreram, entre elas um gendarme de 22 anos baleado, e "centenas" ficaram feridas, incluindo 64 agentes das forças de segurança.

Nesta quinta-feira (16), morreu outro gendarme, atingido por um "tiro acidental" de um companheiro, informaram as autoridades, que indicaram que mais de 206 pessoas foram presas no arquipélago de 270.000 habitantes. 

Emmanuel Macron denunciou a violência, mas defendeu "retomar o diálogo político". No entanto, uma videoconferência que o mandatário havia proposto aos deputados do território para abordar a situação não ocorreu.

"As diferentes partes não querem conversar entre si no momento", disse a Presidência. Macron falará "diretamente com os deputados", separadamente, acrescentou o Palácio do Eliseu.

VEJA MAIS

image Bilionário norte-americano quer comprar Tik Tok, peça central de guerra fria entre EUA e China
Em abril, o presidente norte-americano, Joe Biden, aprovou uma lei que ameaça banir o TikTok nos EUA, a menos que ela se desvincule de sua proprietária chinesa, a ByteDance.

image TikTok entra na Justiça para derrubar proibição nos EUA
Plataforma seria obrigada a cancelar operações no país a menos que vendesse as operações que a ligam à China

image Sem o Google, Instagram e TikTok são principais apostas para as campanhas deste ano
Consultores políticos apontam migração para outras plataformas e conteúdos orgânicos, a partir da ausência do Google Ads

"Não considero isso um saque" 

Os tiros ainda eram ouvidos na capital do arquipélago, Noumea, na manhã desta quinta-feira. Em um bairro carente no norte da cidade, um grande número de lojas havia sido destruído, disse um repórter da AFP. 

"Viemos buscar o que havia nas lojas para comer. Depois, não teremos mais nenhuma loja. Precisamos de leite para as crianças. Não considero isso um saque", disse à AFP um vizinho que pediu anonimato. 

Os protestos começaram na segunda-feira, quando a Assembleia Nacional em Paris começou a debater a reforma do censo eleitoral. 

A proposta recebeu o sinal verde dos deputados na quarta-feira, pouco depois da meia-noite, mas ainda precisa ser aprovada pelo Senado para entrar em vigor.

Atualmente, apenas os eleitores registrados em 1998 e seus descendentes podem participar das eleições regionais no arquipélago, localizado a cerca de 1.200 quilômetros a leste da costa da Austrália. A reforma pretende incluir pessoas que moram no local há dez anos. 

Os defensores da independência acreditam que a expansão do censo reduzirá a influência proporcional da população kanak original nas instituições.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO