Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Espanha vai debater aborto a partir dos 16 anos e licença menstrual de pelo menos três dias

Outra medida estabelece que os centros educativos terão de oferecer, gratuitamente, os produtos necessários à menstruação

O Liberal

Na Espanha, o projeto de Lei que cria a nova lei do aborto, elaborada pelo Ministério da Igualdade, traz medidas como a possibilidade de as jovens a partir de 16 anos abortarem sem autorização dos pais, uma licença de três a cinco dias para menstruações dolorosas e interrupções voluntárias da gravidez. O texto também propõe licença pré-natal remunerada a partir da 36ª semana e que produtos necessário à menstruação sejam oferecidos gratuitamente pelos centros educativos. Tudo isso vai ser discutido pelo Governo do País na próxima terça-feira (17). As informações são do Portal SIC Notícias.

VEJA MAIS

'O acesso a um aborto seguro pode salvar vidas', diz diretor-geral da OMS
Tedros Adhanom Ghebreyesus publicou a mensagem em uma rede social

Documento aponta que direito ao aborto está com os dias contados nos EUA; Biden comenta sobre o caso
Site obteve rascunho de um relatório que mostra que juízes da Suprema Corte do país votaram para derrubar decisão da década de 1970

Com o projeto, o Governo busca tornar o aborto mais amplamente disponível, removendo a exigência de permissão dos pais para jovens de 16 e 17 anos e garantindo o acesso a interrupções em hospitais públicos.

Atualmente, a Espanha permite o aborto até às 14 semanas de gravidez, mas o assunto ainda gera polêmica no país de maioria católica. Em algumas áreas, o procedimento não é feito porque os médicos se recusam por motivos éticos. Após protestos frequentes, o parlamento espanhol chegou a definir como crime perseguir ou intimidar mulheres para impedir o seu direito ao aborto.

No caso da licença menstrual, a proposta estabelece que ela será de três a cinco dias “para quem apresenta períodos incapacitantes: dores intensas, cólicas, náuseas, tonturas e vômitos que algumas mulheres sofrem a cada ciclo”.

Países como o Japão, Coreia do Sul, Indonésia e Zâmbia já reconhecem o direito a licença devido a dores menstruais. Porém, se o projeto for aprovado na Espanha, o país será o primeiro da Europa a tomar uma medida como essa.

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO