Candidata a vacina da AstraZeneca é a mais avançada contra Covid-19, diz OMS

Biofarmacêutica britânica já iniciou testes em larga escala com humanos

Reuters

A candidata a vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca é provavelmente a mais adiantada no mundo e a mais avançada em termos de desenvolvimento, disse a principal cientista da Organização Mundial da Saúde (OMS), Soumya Swaminathan, nesta sexta-feira.

A biofarmacêutica britânica já iniciou testes em larga escala com humanos da vacina, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford. A potencial imunização também está sendo testada em voluntários brasileiros, em estudo liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Em entrevista à Reuters na quarta-feira, a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, disse que os ensaios clínicos com a vacina de Oxford e da AstraZeneca podem durar até um ano.

Nesta semana, a AstraZeneca fechou seu décimo acordo para fornecimento e produção da possível vacina.

"Certamente em termos de quão avançadas elas estão, do estágio no qual elas estão, acho que eles são o principal candidato", disse Swaminathan em entrevista coletiva.

"Então é possível que eles tenham resultados bem antes", acrescentou.

Segundo ela, a candidata da Moderna "não está muito atrás" da potencial imunização da AstraZeneca, entre as mais de 200 candidatas a vacina para a Covid-19, das quais 15 já entraram na fase de testes clínicos.

"Sabemos que a vacina da Moderna também irá a testes clínicos de Fase 3, provavelmente em meados de julho, então esta candidata a vacina não está muito atrás", disse ela.

"Mas achamos que a AstraZeneca tem um escopo mais global neste momento, em termos de onde eles estão planejando e fazendo seus testes."

Ainda de acordo com Swaminathan, a OMS mantém conversas com várias fabricantes chinesas, entre elas a Sinovac, sobre potenciais vacinas.

A potencial vacina da chinesa Sinovac deverá começar a ser testada no Brasil em julho, depois de a companhia fechar acordo com o Instituto Butantan, ligado ao governo do Estado de São Paulo, que pode levar à produção dela no Brasil, caso se mostre eficaz.

Swaminathan pediu que seja considerada uma colaboração entre os testes com potenciais vacinas contra a Covid-19, similar aos ensaios solidários que a OMS tem feito com possíveis medicamentos para tratar a doença respiratória causada pelo novo coronavírus.

Uma coalizão liderada pela OMS para combater a pandemia pediu nesta sexta-feira que governos e doadores do setor privado ajudem a levantar 31,3 bilhões de dólares nos próximos 12 meses para desenvolver e entregar exames, tratamentos e vacinas contra a doença. A iniciativa foi batizada de ACT-Accelerator.

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!