Paysandu faz ação em 2019 para torcedor de baixa renda ir ao estádio

A ação foi idealizada pelo atual vice de gestão e futuro presidente do Paysandu, Ricardo Gluck Paul. Saiba Mais!

Redação Integrada, com informações do Paysandu

O Paysandu começa em janeiro uma ação para levar torcedores de baixa renda aos estádios. O projeto se chama "Paysandu, Alegria do Povo" e foi idealizado pelo vice de gestão e futuro presidente do clube, Ricardo Gluck Paul. Segundo o site bicolor, o nome é o mesmo da música escrita por Pires Cavalcante, autor da tradicional marchinha “Uma listra branca, outra lista azul”, que faleceu há dois meses. A ideia inicial é que até 500 bicolores assistam de graça aos jogos do Paysandu como mandante ao longo de toda a temporada 2019.

"Precisamos nos reaproximar da nossa torcida. Historicamente, o Paysandu sempre foi conhecido como o time do povo e isso não pode se perder. Precisamos trazer todos os torcedores para dentro do clube, queremos que eles participem de experiências e viva o clube, se sinta em casa em qualquer patrimônio do clube, seja na Curuzu, na Sede Social, na Sede Náutica, enfim. O Paysandu é da torcida, o Paysandu é o time do povo e nós vamos fortalecer nossa identidade”, afirmou Ricardo Gluck Paul, em entrevista para o site oficial do Paysandu. 

Os torcedores serão selecionados por 40 estudantes da Universidade da Amazônia (Unama), que começam nesta sexta-feira (30) e o cadastramento será feito nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) da Grande Belém. "Essas pessoas vão participar de uma espécie de rodízio. Nós não vamos cadastrar, por exemplo, 200 pessoas e essas mesmas 200 pessoas irão a todos os jogos, não. Pretendemos cadastrar mil pessoas, para que a gente possa contemplar mais torcedores. No primeiro jogo, a gente beneficia 200, no segundo 300, depois 500 e por aí vai", explicou a Diretora de Responsabilidade Social, Ieda Almeida. 

Para ter acesso ao estádio, os cadastrados vão receber uma carteirinha personalizada, semelhante a do programa Sócio Bicolor. O projeto entra em vigor no primeiro jogo do Paysandu na Curuzu em 2019.  "Eles não ganharão ingresso, vão entrar com uma carteirinha que será intransferível. Depois nós iremos fazer esse cadastro todo através de biometria", detalhou Ieda Almeida. 

Paysandu