Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Esporte de origem inglesa de força e estratégia, rugby tem time feminino como referência em Belém

O Acemira Rugby Belém, criado em 2011, busca divulgar a modalidade pela região. Conheça mais este esporte bretão

Dinei Souza

Nem os deuses do esporte, muito menos os criadores do rugby - que surgiu em 1823, na Inglaterra - imaginariam que a modalidade ganharia adeptos a cerca de 7.5 mil km de sua origem, nos campos da Cidade das Mangueiras, em Belém. Inicialmente também já foi inimaginável no esporte, criado e praticado por homens, ter larga participação feminina. Elas estão cada vez mais se consolidando em espaços onde o masculino predominava. Isso vale para vários segmentos, inclusive o esporte.

De acordo com a Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU), o número de atletas femininas nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 chegou próximo ao de homens: foram 48,8% de mulheres, contra 34% na edição de Atlanta em 1996, por exemplo.

A estudante universitária Ana Laura Alves Bentes, 23 anos, que há onze meses pratica o rugby, conta como conheceu a modalidade bretã. “O interesse surgiu na convivência com o time, na inspiração que eles me deram de não só continuar treinando, mas também de fazer academia para melhorar o condicionamento, além do treino funcional para melhorar o desempenho; mas também melhorar a alimentação. Já o gosto pelo esporte veio depois com as práticas, quando comecei a entender o jogo, a assistir mais jogos. Foi quando comecei a querer melhorar como jogadora”, revela. 

O namibiano Bendict Tshoombe, chamado pelos atletas apenas de Benny, é um dos treinadores do Acemira Rugby Belém, que este ano completou 11 anos de fundação. O nome tem inspiração tupi-guarani e significa “os que fazem doer", fazendo alusão ao estilo "pegado" da modalidade. “É um jogo em que uma bola oval é conduzida pelos pés ou pelas mãos dos jogadores até a linha de fundo do campo, onde há uma trave semelhante a um H. O objetivo principal do jogo é fazer um try, que consiste em passar com a bola através da linha de fundo e encostá-la no chão do oponente”, explica Tshoombe.

Acemira Rugby Belém rúgbi

Benny ressalta que a prática do rugby vem crescendo no país nos últimos anos, impulsionada pelo fato de ter sido disputada nos Jogos Olímpicos em 2016, no Rio de Janeiro. Mas que, no Pará, ainda precisa de apoio, além de espaços adequados para treinamentos, já que uma das metas do time é incentivar e formar novas jogadoras. 

Entre elas está Beatriz Bentes, que também é estudante universitária e fala como nasceu o interesse pelo rugby. “Surgiu em 2019, quando eu conheci mais profundamente o esporte e descobri que existia uma equipe que treinava na universidade. Então conheci, conversei com os treinadores e desde então permaneci”, conta.

Em 2017 o mesmo aconteceu com Rhanna Clíssia, que também é faixa preta de taekwondo. Ela relembra como foi o primeiro contato com o esporte bretão. “Não era muito divulgado aqui na região. Conheci através de um amigo. Ele me chamou para treinar e é o que acontece na maioria das vezes, um amigo chama o outro e, como sou fã de esportes coletivos, decidi vir treinar”, relembra. 

Rhanna Clíssia se divide entre o rugby e o taekwondo (Sidney Oliveira/O Liberal)

Há concordância entre as atletas sobre os benefícios que o esporte proporciona nos aspectos físicos, mentais e sociais, tendo em vista que exige muita resistência, estratégia e habilidade dos jogadores. Bem como ficou clara a necessidade de mais apoio para treinar, viajar e jogar para que as jogadoras amadoras de rugby possam seguir carreira no esporte profissionalmente.

Atualmente, o time tem como principal local de treino um espaço cedido pela Universidade Federal do Pará (UFPA), a Escola de Aplicação (antigo NPI), na Av. Perimetral. Os encontros acontecem geralmente aos finais de semana, quando a maioria das jogadoras está de folga dos afazeres profissionais e estudantis. Além de duelos em Belém, o Acemira disputa competições contra equipes do interior do estado. No mês passado, disputou um amistoso em Castanhal.

Origem e história do rugby

A origem do rugby regressa aos gregos e romanos, que faziam jogos com esferas, episkyros e harpastum, respectivamente. Mas de acordo com a Federação Internacional de Rugby a sua origem data de 1823, na Rugby School, localizada em Rugby, na Inglaterra - daí o nome do esporte. O responsável pelo surgimento do esporte é William Webb Ellis.

Na época não existiam regras escritas dos jogos com bola. Os regulamentos eram orais e cada escola tinha a sua forma de jogar. William fez algo distinto do que faziam na sua escola: ele correu com a bola nas mãos, em vez de chutá-la, como era de costume. 

A primeira disputa internacional, em 1881, foi entre Inglaterra e Escócia, quando os escoceses saíram vencedores. Em 1900, a França sagrou-se campeã. Já em 1908 foi a vez da Austrália e, nos anos de 1920 e 1924, as medalhas foram conquistadas pelos norte-americanos.

O esporte da bola oval ficou ausente dos Jogos Olímpicos durante 92 anos, tendo seu regresso em 2016, quando Fiji foi o campeão no rugby masculino e a Austrália no feminino.

O rugby começou na Inglaterra, mas Nova Zelândia, África do Sul e Austrália são as nações de principal destaque na modalidade. Atualmente a seleção da Nova Zelândia é uma das melhores do mundo. Os atletas são conhecidos como "All Blacks" (por terem o uniforme preto) e a equipe tem hábito de fazer o Haka, uma dança típica do povo maori, usada como uma forma de intimidação dos adversários.

Histórico do rugby

1823: origem em Rugby, na Inglaterra.

1845: criação das regras do Rugby Football.

1871: surgimento da entidade responsável pela organização do rugby na Inglaterra, a Rugby Football Union (RFU).

1881: primeira disputa internacional entre Inglaterra e Escócia, com vitória escocesa.

1891: chegada ao Brasil. O primeiro time de rugby foi organizado por Charles Miller - conhecido como o "pai" do futebol brasileiro.

1963: criação da União de Rugby do Brasil (URB), que se transformou em Associação Brasileira de Rugby (ABR).

1900: primeira participação do rugby nos Jogos Olímpicos, com vitória francesa.

2010: transformação da ABR em Confederação Brasileira de Rugby (CBRu).

2018: conquista do Campeonato Sul-Americano 6 Nações pela Seleção Brasileira de Rugby.

Glossário

Passes – são feitos para os lados ou para trás, apenas com as mãos; e para frente, apenas com os pés.

Tacklear – é a jogada em que se derruba um jogador, mas só pode ser realizada em quem está com a posse da bola.

Try – que consiste em passar a linha do gol (linha do H) da equipe adversária a fim de colocar a bola no chão. É a jogada que vale mais pontos (5).

Drop goal – vale 3 pontos e consiste em chutar a bola para a trave, que deve passar por cima do travessão horizontal.

Rugby XV – formado por 15 jogadores, o jogo é disputado em dois tempos de 40 minutos.

Rugby Sevens – formado por 7 atletas, o jogo é disputado em dois tempos de 7 minutos.

Mais Esportes
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM MAIS ESPORTES

MAIS LIDAS EM ESPORTES