Prestes a completar 105 anos de rivalidade, Remo e Paysandu são lembrados no Dia dos Namorados

A relação entre um clube e outro começou em 1913, antes mesmo do nascimento de um deles

Nesta sexta-feira (14), o Re-Pa - clássico mais disputado do universo - completará 105 anos de sua primeira partida. Hoje (12), porém, no Dia dos Namorados, a reportagem de OLiberal.com destaca a relação sempre intensa e coberta de sentimentos entre os dois clubes.

Dadá Maravilha e Bira esquentaram a rivalidade nos anos 70 (Reprodução)

O Papão foi fundado no dia 2 de fevereiro de 1914, mas ainda no final de 1913 começou a relação com o Leão. Na verdade, com um Leão, o Hugo Leão, seu fundador. Desportista e um dos líderes do extinto Norte Club, Hugo acionou um grupo de colegas do ofício para criar um novo clube. 

A motivação, no entanto, foi justamente o Remo, que havia estreado no futebol naquele ano de 1913 de forma brilhante, com o título do Paraense. A intenção foi fundar um time que pudesse ser campeão. Assim, fundaram o Paysandu.

Remo e Paysandu são os maiores representantes do futebol paraense (Cláudio Pinheiro / O Liberal)

No Remo, o futebol chegou ao profissionalismo em 1945. O início foi ruim por conta da goleada sofrida por 7 a 0 para o Paysandu no dia 22 de julho, mas o desfecho foi de alegria, com o título do estadual sobre o rival, com uma vitória por 4 a 1, em plena Curuzu, e o bicampeonato no ano seguinte.

Falando na goleada por 7 a 0, a torcida do Remo logo lembra do tabu de 33 jogos sem perder para o rival, um jejum inigualável entre rivais no planeta.

Além dos fatos isolados, existem também os períodos de uma gangorra incansável entre os dois clubes. Anos de sucesso dos clubes se tornaram inesquecíveis para torcedores por conta da relação com o rival. Assim foi em 2005, quando o Remo foi campeão paraense ao mesmo tempo em que o Paysandu foi rebaixado. Antes disso, o Bicola teve seu momento mágico no início dos anos 2000 e, enquanto jogava a Série A do Brasileiro e a Libertadores da América em 2003, via os azulinos baterem na trave na Série B. Em 2004, o Papão seguiu na primeira divisão e o Remo terminou rebaixado à Terceirona.

Clubes fazem ações juntos na sociedade (Divulgação Agência Pará)

Neste ano, a dupla Re-Pa - na figura dos presidentes Ricardo Gluck Paul (Paysandu) e Fábio Bentes (Remo) - já posaram para fotos juntos e, neste momento, lutam, juntos, para remaracar o primeiro Re-Pa desta Série C para o domingo (23), às 16h, no Mangueirão. É a prova de que, apesar da rivalidade, os dois tons de azuis respiram uma relação de união.

Futebol
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!