Dupla Re-Pa planeja Parazão de 2020 com garotos

Assunto pode ser debatido em reunião agendada entre os novos presidentes de Paysandu e Remo

A queda do Paysandu para a Série C do Campeonato Brasileiro, aliado ao fato de o Remo ainda não ter conseguido sequer se classificar às quartas de finais da Terceira Divisão, embora disputando a competição desde 2015, prova que o futebol paraense, capitaneado pela dupla Re-Pa, não consegue se fixar no cenário nacional. 

As razões são variáveis, discutidas ano após ano, e tendem a apontar para o aspecto financeiro. É rotineira a ideia de que não há força financeira para concorrer sequer com centros médios do esporte. 

Uma saída para interromper o problema é a revelação de talentos, que podem gerar lucros aparentemente não planejados, passando a tornar os clubes mais fortes. O problema é que nem Paysandu nem Remo têm um trabalho moderno nas categorias de base. Investir em infraestrutura é um caminho inicial. Mas, pouca gente se atenta para um fato importante: 'dar lastro', como se diz na linguagem boleira, aos jogadores recém-saídos das categorias de base. 

Solução? 
Eleito presidente do Paysandu para o biênio 2019-2020, o empresário Ricardo Gluck Paul mantém contato permanente com o presidente do Remo. Em uma dessas conversas, uma ideia surgiu: a de usar um time repleto de jogadores da categoria de base e utilizá-lo na disputa do Campeonato Paraense. Dessa forma, dois problemas seriam atacados de frente: o primeiro é a falta de experiência da base, como citado; e o segundo, não menos importante, é ampliar o período de pré-temporada dos times principais, visando uma preparação mais adequada para os campeonatos nacionais, evidentemente, de nível técnico superior comparado a disputa regional.  

"Infelizmente, acho que já está tarde para pensarmos nisso para 2019. Mas, para 2020, quem sabe... É para termos mais qualidade para a nossa pré-temporada. O campeonato começa cedo, interrompe a pré-temporada. A ideia seria jogar (o Paraense) com uma parte com o time sub-23, para que o nosso time principal tenha mais qualidade de pré-temporada, assim, a base teria mais visibilidade", avaliou Gluck Paul. Esse planejamento é semelhante ao que faz o Atlético-PR no Campeonato Paranaense, sendo que o Furacão deixou de ser um clube médio para disputar de igual para igual com os clubes do eixo sul-sudeste. 

Gluck Paul defende a ideia e planeja uma reaproximação com o Remo. "Somos rivais dentro de campo. E não fora deles", concluiu Ricardo. A ideia também agrada Fábio Bentes. "Precisamos manter sempre a conversa. Um clube depende do outro", frisou Bentes. O assunto deve ser tratado em uma reunião entre os dois mandatários agendada, inicialmente, para a próxima terça-feira, 04/12.    

Futebol