Por que a Bolsa não despencou após os atos terroristas?

Analistas de bancos e gestoras veem que as instituições sobreviveram ao teste e explicam comportamento do mercado

O Liberal
fonte

Mesmo com os atos terroristas ocorridos em Brasília no último domingo (8), a Bolsa fechou com alta de 0,15% nesta segunda-feira (9), aos 109.129 pontos, resultado distante da expectativa de "derretimento". Já o dólar comercial ficou longe das máximas recentes, embora tenha fechado o dia com alta de 0,41%, a R$ 5,25. Mas por que o impacto no mercado financeiro foi menor que o esperado? Analistas de bancos e gestoras veem que as instituições sobreviveram ao teste. As informações são do jornal O Globo.

VEJA MAIS:

image Com dólar em alta e bolsa em queda, paraenses apostam em investimento de renda fixa
Assessor de investimentos da Ação Brasil, aponta esse tipo de investimento mais promissor no momento atual

image Cotação do dólar hoje: qual o valor do dólar para real nesta terça-feira (10/01)
Moeda americana chegou ao patamar de R$ 5,26 nesta manhã. A alta foi de 0,16%

Segundo o analista de investimentos João Lucas Tonello, tensões políticas são sempre ruins, tanto que o Ibovespa foi a única Bolsa das Américas que abriu em território negativo. Já para o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno, o fato de as autoridades terem reagido aos atos de forma rápida e a percepção geral de que a maior parte da população rechaça iniciativas deste tipo serviram de atenuantes de pressão.

VEJA MAIS:

image Apenas uma carteira fecha o mês com rendimento positivo em ranking de recomendações
Levantamento da Grana Capital reúne as carteiras recomendadas por nove corretoras; em novembro, somente duas performaram acima do Ibovespa

Ele diz, inclusive, que a curto prazo o presidente Lula pode se beneficiar politicamente. O risco, afirma, é adotar medidas mais populistas: "O governo deve enfrentar uma oposição raivosa nas ruas e com grande capacidade de mobilização, o que pode até levá-lo a adotar medidas populistas", de acordo com Rostagno.

Ao longo do tempo, diz ele, será possível ver uma preocupação maior com a governabilidade à medida que a economia desacelere e a popularidade do presidente diminua. "Os atos desse final de semana não devem ter grande impacto no mercado no curtíssimo prazo, mas ao longo do tempo".

Economista e pesquisador da LCA e da Fundação Getulio Vargas (FGV), Braulio Borges ressalta que a reação de curto prazo do mercado não é um bom termômetro agora: "A reação do governo foi enérgica, mas temos que esperar para ver se os responsáveis, civis e militares, serão punidos. Se persistir uma situação em que muitas pessoas não são punidas, na prática isso alimenta a possibilidade de mais episódios, até mais graves, nos próximos meses", afirma.

Para ele, o Lula "sai mais forte", mas a discussão do arcabouço fiscal vai durar, pelo menos, seis meses. "Não acredito que esse capital político que ele conquistou vai se estender por todo o semestre", declara. Outra preocupação, diz Borges, é a percepção do investidor estrangeiro, já que esse tipo de episódio pode assustar o investidor estrangeiro. "Instabilidade institucional pode indicar mudança de regra a qualquer momento, como impedir saída de capital".

Já Roberto Attuch, fundador e CEO de uma casa de análise, não espera estragos na imagem do país junto a investidores internacionais, mas diz que os danos serão mais para a imagem do bolsonarismo do que a do Brasil, com o presidente Lula e as instituições saindo fortalecidos. "Nem de longe dá para classificar os ataques como um movimento popular e espontâneo. Ele foi orquestrado e pago por alguém, e contou com a absoluta conivência e leniência do governo do Distrito Federal", ressalta.

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA