Lula deve renovar desoneração dos combustíveis por mais 60 dias

MP deve ser publicada ainda neste domingo, segundo informação do futuro presidente da Petrobras senador Jean Paul Prates

Lucas Costa
fonte

Um dos primeiros atos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ainda no primeiro dia de seu mandato neste domingo (1º), deve ser a renovação por 60 dias da desoneração dos combustíveis. A Medida Provisóvia (MP) deve ser publicada em edição extra do Diário Oficial da União. A notícia foi reportada pela Agência Brasil, e diz que a informação é do futuro presidente da Petrobras senador Jean Paul Prates (PT-RN).

"A gente ganha tempo para tomar posse na Petrobras, olhar o contexto do setor de petróleo, o próprio preço do barril no mercado internacional. A tendência é ele distender, em função do término do inverno no Hemisfério Norte. A sazonalidade que todos já conhecem", disse o senador.

Até ontem (31), em meio à alta de preços dos combustíveis motivada especialmente pela guerra da Ucrânia, os impostos federais estavam zerados por medida do ex-presidente Jair Bolsonaro e pelo Congresso Nacional.

VEJA MAIS

image Quem entregou a faixa presidencial para Lula? Confira os escolhidos para o rito durante o cerimonial
Confira o nome, de onde são e o que representam os escolhidos para o rito oficial

image Apoiadores de Bolsonaro criticam uso de vermelho na posse de Lula: ‘Comunismo’
Filho do ex-presidente questionou a ausência da bandeira do Brasil na festa popular em Brasília

image Lula assina termo de posse com caneta presenteada por apoiador em 1989; entenda
Caneta não foi usada em cerimônias de 2002 e 2006

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA