Inflação da Construção Civil do Pará acelera 3,77% em 2019

Índice ficou 2,49% abaixo da taxa de 2018, que havia sido de 6,26%

Thiago Vilarins

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo IBGE em parceria com a Caixa, apresentou variação de 3,77% no ano passado no Pará, ficando 2,49 ponto percentual abaixo da taxa de 2018, que havia sido de 6,26%. O resultado é o menor desde 2017, quando a variação anual foi de apenas 0,55%. No mês, em relação a novembro, a variação foi de apenas 0,06%, novamente, bem inferior ao índice registrado em dezembro de 2018 (0,48%).

O custo paraense da construção, por metro quadrado, que em novembro fechou em R$ 1.154,38 aumentou em dezembro para R$ 1.155,05, sendo R$ 652,27 relativo aos materiais e R$ 502,78 à mão de obra. No mês anterior, os respectivos valores eram de R$ 651,60 e R$ 502,78. Ainda para efeito de comparação, o custo médio dos materiais de construção no Estado do Pará há um ano era de R$ 627,53, uma diferença de R$ 24,94 com o preço médio atual (+3,97%).

Em relação a mão de obra, houve acréscimo no mesmo período de R$ 17,08. O custo pelo serviço em dezembro de 2018 era de R$ 485,70. Ambos os custos totalizavam, há um ano, R$ 1.113,23 o preço médio da construção no Pará do metro quadrado.

Já o custo nacional da construção por metro quadrado, passou de R$ 1.156,31, em novembro, para R$ 1.158,81 em dezembro, dos quais R$ 605,54 eram relativos aos materiais e R$ 553,17 à mão de obra. A parcela dos materiais apresentou queda de 0,13%, com uma diferença de 0,30 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,17%). Quando comparado com dezembro de 2018, com variação de 0,45%, a taxa mostrou queda de 0,58 ponto percentual.

Já o valor da mão de obra apresentou alta (0,59%), influenciado pelas altas observadas nos estados do Piauí e Minas Gerais, decorrentes de acordos coletivos. Esta taxa mostrou-se bem acima ao ser comparada com o resultado de dezembro de 2018 (-0,02%), quando se mostrou próxima da estabilidade.

O resultado nacional acumulado no ano de 2019 registrou alta de 4,54% nos materiais, enquanto a parcela do custo referente aos gastos com mão de obra atingiu 3,47%. Em 2018, a parcela dos materiais fechou em 6,30% e a mão de obra, em 2,45%.

Todas as regiões tiveram altas em dezembro, sendo que o Sudeste foi onde o índice mais se elevou: 0,31%. Nas demais regiões, as taxas foram de 0,20% no Nordeste, 0,19% no Centro-Oeste, 0,17% no Norte e 0,02% no Sul. No acumulado do ano, porém, o Sul registrou a maior taxa (5,64%), seguido pelo Sudeste (4,39%). Entre os estados, o Piauí ficou com a maior taxa para o último mês do ano, 1,11%, influenciada pela alta de 3,86% nos custos da mão de obra.

Quanto aos custos da construção por região, os valores, em dezembro, por metro quadrado foram de R$ 1169,45 no Norte, R$ 1067,68 no Nordeste, R$ 1208,86 no Sudeste, R$ 1222,66 no Sul e R$ 1165,74 no Centro-Oeste.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!