Scalene faz convite ao ‘quintal de casa’ - por meio de lembranças - no videoclipe de 'Caburé'

A faixa faz parte do novo EP Fôlego, produzido no período de quarentena, com cada integrante em um lugar

É interessante pensar que "Caburé" foi a primeira música composta pelo Scalene durante a quarentena. Sem dúvida, o momento de pandemia acertou em cheio no processo criativo da banda, tornando os questionamentos (sempre eles) ainda mais latentes.

Parte do EP Folêgo, lançado em junho, a música tira a lupa do microcosmo de cada um para buscar uma reflexão macro do que somos (ou podemos ser). Agora, a faixa ganha um videoclipe, que sai pelo slap, selo da Som Livre, criado por meio de imagens de arquivo, lembranças da infância dos integrantes e também cenas que serão recordadas no futuro.

"A música e o clipe têm uma ambientação familiar e aconchegante, mas não deixa de fazer uma reflexão sobre as nossas ações, no sentido do nosso 'esforço' e das nossas escolhas terem algum significado no final (se é que ele existe)", comenta Tomás Bertoni, que aparece em cena ainda pequeno e também na sua versão mais recente: pai. O seu filho, Benjamin, nasceu em junho deste ano. "Eu sei que há mais, há de haver mais", diz o refrão de "Caburé".

"Essa música tem uma sensação de quintal de casa. E foi o local onde ela realmente foi feita", relembra Gustavo Bertoni. "Quando ela surgiu, eu estava pensando nas coisas de longo prazo, nas que têm, de fato, valor", completa.

O EP Fôlego chegou às plataformas de streaming como uma extensão disco Respiro (2019). Além de "Caburé", completam o trabalho: "Passageiro", "Caleidoscópio", "Espelho" e "Estar a Ver o Mar".

Música
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM CULTURA