Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Mestre Solano homenageia Sebastião Tapajós no Arraial de Nazaré

No domingo, 10, ele apresenta as músicas autorais. Antes dele, Lucinnha Bastos e Carimbolando sobem ao palco.

Enize Vidigal O Liberal

Vai ter música com gosto de saudade no Arraial de Nazaré, neste domingo de Círio. O Mestre Solano leva ao palco do Arraial as guitarradas que entusiasmam gerações e outros ritmos paraenses que botam o público pra dançar. Haverá um momento do show dedicado ao “amigo-irmão” Sebastião Tapajós, com quem o mestre de 80 anos trocava composições em homenagens mútuas. Solano sobe ao palco às 21 horas para encerrar a noite de apresentações. Antes dele, Lucinnha Bastos canta às 18 horas, e Carimbolando, às 19h30.

Com 19 álbuns lançados ao longo de 67 anos de trajetória musical, Mestre Solano é considerado um dos criadores do ritmo da guitarrada, junto com o saudoso Mestre Vieira. “Ainda se surpreendem com a minha agilidade para tocar”, se diverte o músico natural de Abaetetuba ao comentar sobre o gênero musical acelerado, que exige agilidade na execução.

“Levo o nome do Pará para onde eu vou. Já fiz show em oito países. Nós começamos com a guitarrada, que nasceu aqui (no Pará), é nossa, que nem o carimbó, ninguém toma”, destaca.

Solano será acompanhado pela banda dele. O repertório traz músicas autorais, como as guitarradas “Som da Amazônia”, “São Francisco” e “As Belezas de Alter-do-Chão”, o zouk “Doutor Ribamar”, o bolero “Lamento”, as cúmbias “Maria Teresa” e “Barquinho” e os bregas “Me chama de amor” e “Som de Baile”.

A saudade do parceiro Sebastião Tapajós vai falar mais alto em um momento do show. O mestre vai tocar “Rei Solano”, composição que ganhou do violonista santareno e que esteve na trilha sonora da novela “Força do Querer” (2017), da Globo. “Ele era o meu amigo-irmão. Ele ligava toda semana pra mim, fazíamos música um para o outro, tocávamos juntos. Foi uma perda, que não foi só pra mim, foi para o Pará e o Brasil”, destaca.

Solano vai tocar outras músicas feitas por ele em homenagem a “Babá”, como o abaetetubense o chamava na intimidade. Uma dessas autorais é o choro “Dois Amigos”. “É uma música instrumental. Um dia em que o ‘Babá’ foi almoçar lá em casa, falei que tinha feito a música e solei no banjo pra ele. Ele me abraçou e disse, ‘Rei esse choro é muito bonito, parabéns’. Eu abracei e disse: ‘você é nosso mestre’”, recorda.

Shows

Os shows irão continuar no Arraial do Círio até o próximo dia 26, com artistas locais, ministérios de música e bandas das corporações de segurança, conforme divulgou a diretoria das festa. A entrada somente será permitida com o uso de máscaras e sob as orientações de distanciamento social. A lotação será limitada a 300 pessoas.

Na próxima segunda-feira, 11, irão se apresentar Alcir Meirelles, às 18 horas; Carol Ferreira, às 19h30; e Ministério Seráfico, às 21 horas. E no feriado da terça-feira, 12, serão Catarina Drago, às 18 horas; Kim Marques, às 19h30; e Trilhas da Amazônia, às 21 horas. As próximas atrações ainda serão divulgadas.

Música
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MÚSICA

MAIS LIDAS EM CULTURA