Influenciador atribui sucesso do tecnobrega à Banda Uó, de Goiânia, e desperta debate

Samir Duarte, do podcast 'Um Milkshake Chamado Wanda', deu a entender que o trio abriu as portas para o sucesso no Brasil de gêneros populares como o tecnobrega

Redação Integrada

A popularização de gêneros musicais da cultura popular brasileira, em especial o tecnobrega paraense, foi centro de debate no Twitter na manhã desta segunda-feira (5). Tudo começou depois que o influenciador Samir Duarte, do podcast "Um Milkshake Chamado Wanda", publicou um vídeo da Banda Uó, dizendo que o sucesso do trio foi o responsável por projetar ritmos tipicamente brasileiros para todo o Brasil. 

"Banda Uó andou para os seguintes correrem: mostrou que dava para fazer pop no Brasil, misturando a linguagem de fora que a gente gostava com ritmos e estética brasileiros", escreveu Samir no tweet, junto a um vídeo em que a banda canta a música "Fa Uó", no programa "Encontro com Fátima Bernardes".

A canção em questão traz uma série de referências à cultura paraense, além de usar as batidas características do tecnobrega - ambas marcas da sonoridade do grupo no primeiro disco, "Motel" (2012).

Logo em seguida, uma série de seguidores fez questão de explicar a Samir a origem do gênero, levantando debates sobre apropriação cultural e apagamento da história do ritmo, por exemplo. Usuários da rede social também citaram nomes como Gaby Amarantos e a banda Gang do Eletro, importantes figuras na representação do tecnobrega fora do Pará. Veja alguns:

Carol Matos, uma usária da rede, explicou ainda os contextos históricos da criação e popularização do gênero.

Música
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM CULTURA