Carlos Ferreira

Jornalista, radialista e sociólogo. Começou a carreira em Castanhal (PA), em 1981, e fluiu para Belém no rádio, impresso e televisão, sempre na área esportiva. É autor do livro "Pisando na Bola", obra de irreverências casuais do jornalismo. Ganhador do prêmio Bola de Ouro (2004) pelo destaque no jornalismo esportivo brasileiro.

Baixo nível ou justiça à competitividade? Como foi o Parazão deste ano

Carlos Ferreira

Parazão, tradução do baixo nível ou justiça à competitividade?

Vinícius é um dos melhores goleiros da história do Remo. Keven, uma grata revelação. Rafael Jansen, um bom zagueiro que está “quebrando o galho” na lateral esquerda. Yuri, um bom volante com rendimento abaixo do potencial. Douglas Packer, um meia talentoso que só brilhou na estreia. Edno, um atacante tecnicamente acima da média, mas fora de forma. No mais, o time remista tem jogadores limitados. Uns se superam no suor, como é bem o caso de Djalma, e outros nem isso. O título estadual, se for conquistado, será tradução do baixo nível do campeonato. Para o Independente, que tem a vantagem do empate, o título seria justiça à competitividade.

Com gramado seco, o Remo terá possibilidade de título com o seu jogo coletivo e time maduro. Com campo alagado novamente, porém, o Galo Elétrico terá suas chances multiplicadas. São Pedro com a palavra..!

 

Nícolas e Vitor Oliveira, dois casos à parte

Dos 19 jogadores que o Paysandu contratou para esta temporada, o atacante Nícolas e o zagueiro Vitor Oliveira foram os dois únicos casos de regularidade positiva. Marcos Antônio e Bruno Oliveira começaram muito bem, mas murcharam aos poucos. Micael e Mota, os principais casos de altos e baixos. Caíque Oliveira e Elielton, peças úteis. Vinícius Leite, o mais oscilante. Dos demais, Bruno Collaço, Jhony Douglas, Thiago Primão, Paulo Henrique, Paulo Rangel e Caion foram discretos, enquanto João Leonardo, Alex Galo, Felipe de Jesus, Douglas Silva nem merecem ser comentados.

 

BAIXINHAS

* Vinicius (CR); Michel.(PAR), Keven (CR), Dedé  (IND), Esquerdinha (BRG); Ricardo Capanema (BRG), Jari (IND), Alexandre (SF), William Fazendinha (IND); Fidélis (BRG) e Nícolas (PSC). Técnico: Charles Guerreiro. Craque: Vinícius. Revelação: Keven. Esses foram os votos do colunista para a premiação da TV Cultura pelo Parazão.

* Dos três anunciados ontem pelo Paysandu, Pimentinha e Jheimy já formaram dupla de ataque no Sampaio Corrêa e no Botafogo-SP. Nos dois clubes foram comandados por Léo Condé. O terceiro, Tony,  será o 11° lateral direito do Papão na era pós Pikachu.  

* Jeferson Jarí, amapaense, 23 anos, fruto do Santos/AP, destaque do Independente, é um volante de força na marcação e grande objetividade. Chegou a Tucuruí como zagueiro. Como já o conhecia, Charles Guerreiro o efetivou como volante e teve ótima resposta em campo. 

* Djalma, o operário do Leão, está sob cuidados médicos, com dores lombares. Virou motivo de preocupação para os azulinos, pela importância que ganhou como "carregador de piano". Em matéria de aguerrimento, Djalma é inspiração para os seus companheiros. 

* Perema, 26 anos, que completou 80 jogos com a camisa bicolor, está ganhando novo contrato com o Papão. O zagueiro fez apenas um jogo este ano, na vitória sobre o Águia (2 x 0) em Marabá. Agora se recredencia à titularidade. Os outros zagueiros são Micael, Vitor Oliveira e Caíque. Virá mais um.

Carlos Ferreira
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!