VÍDEO: assassinas assaram coxa de menino e serviram à irmã

Suspeita é que lascas da carne humana foram assadas e oferecidas como bife

Redação Integrada, com informações do Metrópoles

O caso do menino Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos, foi degolado vivo e esquartejado. A mãe da criança, Rosana Auri da Silva Cândido, de 30 anos, e sua companheira, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno, de 29 anos, autoras da barbárie, foram condenadas a penas que, somadas, ultrapassam os 130 anos de reclusão.

No vídeo, a polícia entra na casa onde aconteceu o crime e mostra onde elas guardaram os restos do corpo do menino.

O crime aconteceu na noite de 31 de maio do ano passado. O caso ainda era mantido em sigilo até que o processo criminal fosse transitado em julgado.

Leia mais:

Caso Rhuan: mãe assassina disse que carne do filho em churrasqueira tinha 'cheiro bom'

- Júri condena mãe e companheira no caso da morte do menino Rhuan no DF

Investigadores da Polícia Civil e peritos do Instituto Médico Legal (IML) jamais encontraram partes esquartejadas do corpo do garoto. Principalmente, de uma das coxas. A suspeita é que lascas da carne foram assadas e servidas como bife durante o jantar, para a filha de Kacyla, uma menina de 8 anos à época.

A suspeita ganhou força quando a garota, ainda de pijama, foi levada para as dependências da 26ª Delegacia de Polícia. A criança estava sob a guarda da PCDF, e apresentava fortes enjoos e recusava qualquer tipo de alimento.

Os policiais perguntaram o que a menina havia comido que pudesse ter provocado o enjoo. Em resposta, ouviram que tinha sido torradas com ketchup. “Não havia torradas nem ketchup na casa nem na geladeira, e muito menos no lixo. Nunca encontramos qualquer embalagem desses produtos”, disse um investigador que vasculhou a residência.

 

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL