Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Vereador Gabriel Monteiro é acusado de forjar ataque a tiro em carro, diz jornal

O vereador será investigado pelo MPRJ em um novo inquérito para saber se ele usava servidores lotados na Câmara dos Vereadores do Rio

Luciana Carvalho

Um assessor e um ex-assessor do vereador Gabriel Monteiro (PL) compareceram ontem à 29ª DP (Madureira) para mudarem seus depoimentos, sobre o um ataque a tiros durante uma agenda em Quintino, zona norte do Rio no ano passado. Os dois assessores afirmaram à polícia que o parlamentar forjou o ataque. As informações são do portal UOL.

Segundo reportagem do jornal O Globo, no ano passado o cinegrafista Robson Coutinho da Silva, de 44 anos, e o ex-editor Heitor Monteiro, de 22, haviam afirmado que um carro da comitiva do parlamentar, que pertence a Robson, tinha sido atingido por disparos. Atualmente, a delegacia apura o crime de tentativa de homicídio contra o vereador e sua equipe.

Dois dias antes, Robson já havia ido à 64ª DP, em São João de Meriti, prestar o mesmo depoimento. Questionado pelo jornal por que ele havia ido tão longe de onde mora (no Recreio dos Bandeirantes), ele afirmou que foi chamado pelo deputado Giovani Ratinho, cujo reduto eleitoral é na cidade, que acompanhou a ida dele à delegacia. Procurado por O Globo, Ratinho disse que acompanhou o depoimento porque recebeu denúncias anônimas sobre o caso.

 VEJA MAIS

Vereador causa polêmica ao defender que bairro não pague IPTU Parlamentar considera a cobrança injusta pois o bairro faz parte do projeto 'Minha Casa, Minha Vida'

Vereador aponta arma para colega durante briga em sessão da Câmara; vídeo Neiriberto Erthal (PSC) e Edimar Batista (PDT) foram levados à delegacia após o sargento apontar a arma contra o colega

O cinegrafista contou que seu carro tinha uma "perfuração pequena", causada pela queda de uma criança com o guidom da bicicleta. "Não foi tiro. Mas, quando chegou na delegacia, eu fui buscar um lanche e voltei, o Gabriel já estava dando entrevista e falando que o carro tinha sido alvejado."

Segundo o assessor, o vereador teria lhe dito que era para "deixar quieto" que ele "iria resolver tudo". Robson disse que só denunciou o caso agora porque temia que Gabriel fizesse algo contra ele ou sua família.

A versão também foi confirmada por Heitor. "Não tinha tiro. Eu posso afirmar. Ele pediu pra gente falar que teve tiros", disse o ex-assessor. Ele também acusa o vereador de assédio sexual.

Investigando desafetos

De acordo com O Globo, Vinícius Hayden Witeze, de 33 anos, também prestou depoimento na madrugada de sábado, relatando ter sido orientado por Gabriel a buscar "vídeos e fotos" que pudessem "ser utilizados em prejuízo do deputado Gustavo Schmidt".

Ao jornal, Vinícius afirmou que "a mando de Monteiro criou uma equipe de P2 (informantes) para investigar desafetos". Além do deputado, ele afirma que monitorou o ex-comandante da PM Ibis Silveira Pereira e o ex-secretário estadual de Saúde do Rio Edmar Santos.

"No ano passado, eu levantei a vida do deputado Gustavo Schmidt. Eu fiz relatório e tudo. Eu e outros três funcionários. A gente ia atrás dele. Íamos a festas e tal. Monitoramos ele durante um mês. Tudo isso posso provar", disse Vinícius ao jornal.

Sandro Figueiredo, advogado do vereador, negou as acusações à reportagem do jornal, e afirma que Gabriel "jamais ele utilizou de conduta ilícita e que todas suas atitudes são pautadas na mais extrema legalidade".

O UOL também procurou o gabinete do vereador, por e-mail, e aguarda retorno. O espaço está aberto para manifestação. Já Schmidt disse que cobrará providências da presidência da Câmara dos Vereadores. A reportagem informou que não localizou as defesas de Ibis Silva Pereira e de Edmar Santos.

Uso de servidores públicos para fins pessoais

Ainda de acordo com O Globo, o vereador será investigado pelo MPRJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) em um novo inquérito, instaurado na sexta-feira (01), para saber se ele usava servidores lotados na Câmara dos Vereadores, pagos com dinheiro público, para trabalhar na produção de vídeos dele postados nas redes sociais.

O parlamentar nega que isso aconteça e diz que "paga por fora" esse serviço. No entanto, duas pessoas que trabalharam com ele disseram que recebiam da Câmara.

Nesta segunda (04), os integrantes do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara participaram de uma reunião com membros do MP, com o intuito de trocar informações com a instituição a respeito das denúncias que envolvem o vereador. O encontro contou com a participação do procurador-geral de Justiça do Rio, Luciano Mattos.

A 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania da Capital vai convocar dois ex-servidores e uma funcionária da produtora de Gabriel para prestar esclarecimentos. Caso fique comprovada a situação, ele poderá responder por improbidade administrativa.

A Promotoria também vai pedir explicações à Câmara dos Vereadores sobre a necessidade do parlamentar andar com escolta de fuzil.

Gabriel Monteiro já é investigado na 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Infância e Juventude da Capital por divulgar vídeo de uma criança em suas redes sociais. O político também é investigado pela Dcav (Delegacia da Criança e Adolescente Vítima) por constrangimento infantil ao expor imagens de uma criança em suas redes sociais. A denúncia foi feita pelo "Fantástico", da TV Globo.

Segundo o jornal, além da investigação do MP, o vereador também está sendo investigado na Deam (Delegacia de Atendimento à mulher) de Jacarepaguá, em um inquérito que ele é acusado de estupro, abuso sexual e importunação sexual. O vereador se defendeu das acusações de estupro e assédio feitas contra ele e afirmou ter "provas cabais" de não ter cometido nenhum crime.

Já a 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) investiga o vazamento de três vídeos íntimos do vereador, entre eles um com uma menor de 15 anos. Ele alega que tinha a informação de que adolescente era maior de idade e que o ato foi consentido.

Já na 16ª DP (Barra), de acordo com o jornal, ele configura como envolvido em um inquérito que apura suposta tentativa de suborno que teria sido cometida pelo empresário Jailson dos Santos Salazar, dono da J.S. Salazar, responsável pela administração dos pátios e reboques da prefeitura do Rio. A justiça determinou que a delegacia envie todas as mídias que o vereador deixou lá para o Ministério Público analisar. A promotoria quer saber se o parlamentar forjou o caso.

(Luciana Carvalho, estagiária, sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política.)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL