Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Professora é espancada por marido e se finge de morta para sobreviver

A vítima recebeu socos e chutes no rosto. Ela disse que pediu diversas vezes para que o marido parasse de agredi-la, mas ele continuou

Luciana Carvalho

Uma mulher de 30 anos precisou se fingir de morta para que o marido parasse de agredi-la. A vítima recebeu socos e chutes no rosto. As informações são do portal Metrópoles.

O caso ocorreu no início de setembro, em Jacareí, São Paulo e foi denunciado à Polícia Civil (PCSP). A vítima relatou que no momento do episódio estava em casa com o filho de sete anos e o marido. Eles estavam dormindo quando o homem acordou desnorteado e a agrediu. “Ele acordou fora de si. Estava fazendo xixi no guarda-roupa e eu só falei para ele ir ao banheiro. Quando disse isso, ele ficou violento e começou com as agressões”, disse a mulher.

Ela disse que pediu diversas vezes para que o marido parasse de agredi-la, mas ele continuou. “Eu tentei tirá-lo de cima de mim, mas não conseguia. Ele me jogou no chão, me espancou, esmurrando meu rosto e minha cabeça sem parar”, relatou a vítima.

VEJA MAIS

Por ciúme, cantor de pagode espanca e ameaça mulher de morte
A motivação, segundo à vítima, que tem 34 anos, teria sido por ciúme. Vizinhos presenciaram a ação e acionaram a Polícia Militar

De cueca, advogado corre atrás da mulher e a arrasta na rua; vídeo
Segundo a vítima, foi a primeira vez que isso aconteceu no relacionamento de quase cinco anos

Violência contra a mulher faz uma vítima por dia em Marabá
Desde o mês de agosto, a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher de Marabá funciona em regime de plantão

A mulher, que é professora, disse que o homem dizia a todo momento que ia matá-la. Ela decidiu se fingir de morta para evitar que os golpes continuassem. Quando viu que a esposa estava imóvel, o homem voltou para a cama.

“Quando eu percebi que ele realmente estava dormindo, com muito esforço consegui me levantar do chão e pedir ajuda para os vizinhos”, disse. Ela foi levada ao hospital e ficou internada por um dia.

Ferimentos

A professora teve o nariz quebrado e ficou repleta de hematomas. “Meu rosto ficou tão inchado que eu não conseguia abrir os olhos. Perdi toda a sensibilidade do lado direito do meu rosto porque ele rompeu o meu nervo”, contou.

A Secretaria de Administração Penitenciária informou que o agressor tem 35 anos, está foragido e já cumpriu pena por tráfico de drogas. Saiu do presídio após conseguir progressão para o regime aberto, há um ano.

A Justiça concedeu medida protetiva para a vítima, mas ainda não representou pela prisão do suspeito.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL