Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Nova espécie de dinossauro é encontrada no interior de São Paulo

No fóssil descoberto foram identificadas estruturas que nenhuma outra espécie apresenta

O Liberal

Pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), descobriram em Ibirá, interior de São Paulo, um fóssil de dinossauro que possui características que diferem de outras espécie. Trata-se de um titanossauro, uma espécie herbívora conhecida pelos longos pescoços, mas menor, cujo tamanho pode ser comparado com o de um pônei. As informações são do G1 de São José do Rio Preto e Araçatuba.

"O pessoal da UFSCar e UNICAMP fez prospecções aqui na região e coletou o material que depois foi estudado para chegar à proposição de uma nova espécie", revelou Leonardo Silva Paschoa, biólogo e administrador do museu de paleontologia de Uchoa (SP), que acompanhou a pesquisa.

VEJA MAIS

Museu Nacional anuncia descoberta de dinossauro muito raro
Esqueleto foi encontrado em Cruzeiro do Oeste, noroeste do Paraná

Nova espécie de dinossauro carnívoro é descoberta no Brasil
Iniciadas em 2002, escavações só revelaram novo espécime em 2014

Segundo ele, foram identificadas estruturas que nenhuma outra espécie apresenta. “Por isso propuseram uma espécie nova. Desta nova espécie, a questão do tamanho e os sacos aéreos que foram encontrados fizeram ser diferente de outras”.

O local onde o fóssil foi encontro é conhecido por abrigar outras descobertas de espécies em anos anteriores.

Os sacos aéreos identificados nesse fóssil são encontrados em pássaros, servem para o auxílio do voo e também para controlar a temperatura do corpo, que seria a função principal para a nova espécie de dinossauro.

Diversos paleontólogos estão envolvidos na pesquisa, que começou há alguns anos, mas ainda não há data para a publicação científica. Por isso, o nome da nova espécie e fotos do fóssil não foram divulgados. "O material é comparado com o de espécies já existentes e se tiver alguma característica nova é feito um estudo para propor que se caracterize uma espécie diferente", diz.

A descoberta de novas espécies ajuda a entender como era a região habitada e os motivos que levaram à extinção, explica o biólogo. Segundo ele, a nova espécie de dinossauro viveu no período Cretáceo, há 80 milhões de anos. Durante este período, a região tinha grandes rios e vegetação.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL