Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Ministério da Saúde deve acabar com uso da Coronavac em adultos; entenda

Ministro Marcelo Queiroga anunciou que a vacina deve ser restrita a crianças e adolescentes

O Liberal

Na manhã desta segunda-feira (18), durante entrevista, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou que o uso da vacina Coronavac contra a Covid-19 deve ser restrito a crianças e adolescentes de 5 a 18 anos. A decisão foi divulgada um dia após o anúncio do fim da emergência sanitária no País. As informações são do Jornal Folha de São Paulo.

VEJA MAIS

Vacina única do Butantan apresenta resultados positivos contra Covid-19 e influenza O instituto celebrou as respostas promissoras do imunizante, que produziu anticorpos reagentes às três cepas do vírus influenza

Dose de reforço da Pfizer após Coronavac eleva eficácia contra a Covid em 92,7%, diz estudo A pesquisa foi feita baseada na análise das informações de cerca de 14,3 milhões de brasileiros

O Ministério da Saúde pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que autorize por mais um ano o uso emergencial da Coronavac para esta faixa etária, e deixou de fora da solicitação o esquema primário em adultos. A agência reguladora ainda precisa aprovar o pedido.

Queiroga argumentou que ainda não se conseguiu colecionar evidências científicas suficientes para que esse imunizante [Coronavac] tivesse o registro definitivo. “Para o esquema vacinal em adultos esse imunizante, eu penso e é um consenso em países que tem agências regulatórias do porte da Anvisa, ele não é usado para o esquema vacinal primário. Ele é usado para o esquema vacinal primário no Brasil para a faixa etária compreendida entre 5 a 18 anos", declarou.

O ministro explicou que o adulto que ainda falta completar o esquema primário, porém, poderá tomar o imunizante.

A chamada Espin (Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional) dá lastro ao uso emergencial de vacinas, compras sem licitação e outras regras ligadas à pandemia. As vacinas da Pfizer, Janssen e AstraZeneca/Oxford já têm o registro definitivo e, portanto, não devem sofrer impacto com o fim da emergência sanitária.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL