Justiça suspende autorização de aborto em menina de 12 anos após engravidar por estupro pela 2° vez

Atualmente, a garota está com 27 semanas de gestação, o que correspondente a seis meses

Luciana Carvalho
fonte

Justiça do Piauí decidiu suspender a liminar que autorizava a realização de aborto legal em uma menina de 12 anos, que engravidou pela segunda vez, ano passado, quando tinha 11 anos, após ser vítima de estupro. A menina engravidou do primeiro filho quando tinha 10 anos após ser violentada sexualmente, em janeiro de 2021.  As informações são do portal Diário do Nordeste.

Atualmente, a garota está com 27 semanas de gestação, o que correspondente a seis meses, e desde setembro de 2022, vive em um abrigo do Município com o primeiro filho, que completou um ano. 

De acordo com informações publicadas nesta terça-feira (17), o desembargador José James Gomes Pereira, da 2ª Câmara Especializada Civil do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) relatou na determinação publicada no dia 6 de dezembro que a família da menina deseja colocar o recém-nascido para adoção

VEJA MAIS

image OAB vai atuar em caso de criança de 11 anos impedida de fazer aborto após estupro
Menina está sendo mantida pela Justiça em um abrigo para evitar que faça um aborto autorizado

image Ato em Belém pede justiça no caso de criança que teve aborto negado por juíza em SC
Manifestantes se reuniram em frente ao Mercado de São Brás na noite desta sexta-feira, 24

Na época da primeira gravidez da garota, a mãe dela, uma dona de casa de 29 anos, não autorizou o aborto da filha e disse que o médico afirmou que a garota tinha risco de morte no procedimento. Em setembro de 2022, a mãe disse que novamente era contra ao procedimento, pois acredita que aborto é crime

No período da primeira gravidez, o desembargador revogou a decisão da juíza Elfrida Costa Belleza, da 2ª Vara da Infância e da Juventude de Teresina, que dava aval para a interrupção da gravidez desde 1º de novembro do ano passado. No mesmo mês, o pai da vítima denunciou ao Conselho Municipal da Criança e do Adolescente que foi coagido a assinar um documento que declarava que era contra a realização do aborto na maternidade. Na época, ele disse ser a favor do procedimento. Na decisão, o desembargador afirmou que o pai e a menina mudaram de opinião e querem a continuação da gravidez.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Elisa Vaz, repórter do Núcleo de Política).

Brasil
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL