Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Bifes de carne de cavalo eram vendidos como carne de gado para hamburguerias

Muitos animais eram furtados de carroceiros e sacrificados em abatedouro clandestino

Agência Estado

Seis pessoas foram presas suspeitas de fornecer carne de cavalo para lanchonetes de Caxias do Sul, na serra gaúcha. As prisões aconteceram durante a Operação Hipo, do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP/RS) deflagrada na manhã desta quinta-feira, 18. As investigações iniciadas há dois meses apontaram que um grupo mantinha um abatedouro ilegal e vendia as carnes aos estabelecimentos sem nota fiscal "certamente por um valor mais barato", afirmou o promotor de Justiça Alcindo Luz Bastos, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) durante coletiva realizada no final da manhã na sede do MP da cidade serrana.

VEJA MAIS:

Mais da metade de hamburguerias comprava carne de cavalo Vigilância Sanitária vai fazer varredura em estabelecimentos após operação do Ministério Público

Com alta da carne, osso de de boi é vendido por R$ 4 em Florianópolis Os brasileiros estão optando por substituir a proteína das suas refeições e indo em busca de opções que caibam no bolso

Projeto busca reduzir o preço da carne bovina no Pará Governador Helder Barbalho assinou o decreto que irá regulamentar o uso do incentivo fiscal para geração de conhecimento, tecnologia e inovação na cadeia produtiva

Além das prisões, a operação também cumpriu 15 mandados de busca e apreensão. As investigações iniciaram após relatos enviados ao MP/RS pela Inspetoria de Defesa Agropecuária de Caxias do Sul, segundo as quais um abatedouro clandestino estava sacrificando cavalos e triturando a carne para vender a estabelecimentos da cidade e da região. Depois da denúncia, o MP/RS conseguiu autorização da Justiça para interceptar conversas dos suspeitos

Com a análise das conversas, os investigadores descobriram que o abatedouro fornecia grandes quantidades de carne em forma de hambúrgueres e bifes aos estabelecimentos. Através de testes de DNA foi confirmado que a proteína vendida como gado era na verdade carne de cavalo. Para comprovar a prática ilegal, o Gaeco comprou hambúrgueres em três estabelecimentos que tinham o abatedouro como fornecedor. A perícia confirmou a presença da carne equina nas hamburguerias Miros Burguer e Natural Burguer.

O MP também afirmou que, além de não ter autorização para abate e comercialização de carnes, o local de processamento dos produtos também estava em péssimas condições de higiene. O esquema era coordenado por quatro pessoas. Três homens lidavam diretamente com o abate e processamento enquanto uma mulher, parente dos outros três, exercia a função de telefonista, tendo conhecimento das práticas ilegais e auxiliando no esquema. Um outro homem ligado a família, era responsável por recolher os restos de alimentos em estabelecimentos da cidade para serem usados como ração de porcos. A comercialização era de responsabilidade de um sexto homem, enquanto outros dois faziam os hambúrgueres.

As escutas apontam também a utilização de carne estragada, lavada para tirar o odor e misturada a outras na confecção dos hambúrgueres. Há indícios, ainda, de que alguns dos animais abatidos pelo grupo seriam subtraídos de carroceiros, sendo que os próprios carroceiros estariam furtando os cavalos uns dos outros para fornecer ao abate para o grupo criminoso.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL