Paracuri, Agulha, Água Boa e Águas Lindas lideram casos de dengue na capital

Na contramão, ação irá ao centro. Pará reduz casos em 71%, mas Belém é quarta maior incidência

Lázaro Magalhães

Os bairros da Agulha e Paracuri, no distrito de Icoaraci, Água Boa, no distrito de Outeiro, e Águas Lindas, que integra os limites entre Belém e Ananindeua, lideram os casos de dengue, chikungunya e zika em Belém. É o que confirma o mais recente balanço da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), que no próximo domingo (2) integrará as ações do Dia D de Combate ao Mosquito Aedes aegypti - o transmissor dos vírus da dengue, zika e chikungunya. 

Segundo atesta a Sesma, em 2018 Belém já registrou 89 casos confirmados de dengue, 2.900 de chikungunya e cinco de zika. A capital paraense segue na quarta posição entre os municípios do Pará com maior número de casos de dengue, embora o Estado tenha registrado redução de 71% nos casos de dengue, 28% de febre chikungunya e 87% de zika, em relação ao mesmo período do ano passado - segundo apontou o mais recente informe epidemiológico de 2018 sobre casos registrados de doenças transmitidas pelo Aedes, divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) em 14 de novembro.

PERDENDO PARA O MOSQUITO

Em número de ocorrências de dengue, segundo dados da Sespa, Belém segue empatada com Novo Repartimento, com 89 casos cada já registrados em 2018. Entre os cinco municípios campões de incidência de dengue no Estado são ainda Parauapebas (169 casos), Marapanim (165), Mãe do Rio (134) e Conceição do Araguaia (80).

Na lista da Sespa divulgada na primeira quinzena de novembro, Belém também já liderava os casos de chikungunya no Estado (2.733 confirmados) e estava na segunda colocação, ao lado de Conceição do Araguaia, em casos de zika (5 casos cada).

Até o momento, em 2018, segundo balanço da Sespa, o Pará já contabilizou 1.445 casos de dengue, 4.969 de febre chikungunya e 41 confirmados de zika. Para as três doenças, não houve registro de mortes este ano. No mesmo período do ano passado, foram registrados 4.954 casos de dengue, 6.917 casos de chikungunya – incluindo sete óbitos - e 332 de zika.

A Sesma diz que em 2018 conseguiu reduzir o índice de casos de infestação predial - que faz o controle de imóveis que possuem criadouros com larva. Belém teve queda de 1,9%, em 2017, para 1,5%, em 2018, conforme apontado no último levantamento realizado no combate aos fgocos de Aedes aegypti - segundo metodologia do Ministério da Saúde que orienta as ações de controle do mosquito.

Porém, esse resultado ainda exige, pelas regras do Ministério da Saúde, que Belém ainda mantenha o nível de alerta no controle contra o Aedes.

CAMPANHA

Sob o tema “Aedes, um perigo constante, Belém sempre vigilante!”, a ação da Sesma  a ser realizada domingo, em Belém, pelo Dia D de Combate ao Aedes aegypti, do Ministério da Saúde, que diminuir criadouros e a incidência das doenças provocadas pelo mosquito.

Apesar de um dos maiores focos de casos de dengue na Grande Belém estar concentrado em dois bairros do Distrito de Icoaraci, a campanha deste fim de semana se concentrará a quilômetros das comunidades da Agulha e do Paracuri. Também não será em Outeiro e nem no bairro de Águas Lindas. A ação será mesmo na Praça da República, de 9h às 13h.

Estandes mostrarão à população o ciclo evolutivo do mosquito, de forma didática, e também dos riscos domiciliares de criadouros mais comuns do mosquito, além de mostras das larvas do Aedes e dos produtos e equipamentos de controle químico usados no combate às endemias em Belém.

A programação também terá oficinas de reaproveitamento de garrafas pets e vasilhames de vidro, além de jogos educativos, atividades de pintura, teatro e mostra de projetos escolares de combate ao Aedes.


CONFIRA OS CASOS DE DENGUE NO PARÁ* 

Parauapebas (169 casos)

Marapanim (165)

Mãe do Rio (134)

Belém (89)

Novo Repartimento (89)

Conceição do Araguaia (80)

Redenção (68)

Novo Progresso (60)

Pacajá (52)

Pau D’Arco (43)


CASOS DE CHIKUNGUNYA NO PARÁ* 

Belém (2.733)

Marituba (1.050)

Ananindeua (471)

Tailândia (94)

Marapanim (86)

Castanhal (85)

Paragominas (73)

Parauapebas (68)

Benevides (40)


CASOS DE ZIKA NO PARÁ*

Afuá (19)

Belém e Conceição do Araguaia (5)

Benevides, Monte Alegre e Vigia (2)

Altamira, Jacundá, Marituba e Rio Maria (1 cada)


*FONTE:
Informe Epidemiológico de novembro de 2018 (Sespa)

Belém