Empresa que opera aterro de Marituba quer encerrar atividades por falta de pagamento

Comunicado foi feito ao Ministério Público do Estado. Previsão de encerramento é maio de 2019

Victor Furtado

A empresa Guamá Tratamento de Resíduos LTDA., empresa que opera o aterro sanitário de Marituba, pretende encerrar as atividades em maio do ano que vem. O motivo alegado é a falta de pagamento das prefeituras da Região Metropolitana de Belém, incluindo da capital. Um documento comunicando a decisão foi protocolado no Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), na promotoria de Marituba. As prefeituras negam qualquer dívida. Há preocupação com as implicações que a suspensão arbitrária do serviço podem causar no gerenciamento do lixo.

A promotora de Justiça de Meio Ambiente de Marituba, Ana Maria Magalhães, está analisando o documento e fará reunião na segunda-feira (3), às 10h, com as prefeituras acusadas de inadimplência para tratar do assunto. A reunião será na sede da Promotoria de Marituba, na rua Raimundo Cláudio Barbosa da Silva, 380, bairro Centro.

Tanto a empresa quanto as prefeituras já foram acionadas para comentar o assunto.

Belém