Prefeito e vereador do MA viram réus por fazerem aborto sem consentimento da vítima

Vítima tinha relacionamento amoroso com o prefeito da cidade de Carolina

O Liberal
fonte

prefeito de Carolina (MA), Erivelton Teixeira Neves (PL), e o vereador do mesmo município, Lindomar da Silva Nascimento (PL), foram denunciados à Justiça, no Tocantins, pelo Ministério Público e viraram réus, pela realização de um aborto sem consentimento da vítima em março de 2017.

VEJA MAIS

image Estudante de medicina é flagrado jogando bebê morto em caçamba de lixo
Identificados, os pais alegaram que ocorreu um aborto espontâneo e que, por pertencerem a famílias tradicionais e conservadoras temeram a descoberta da gravidez

image Após recomendação do MPF, procedimento de aborto em adolescente é iniciado na Santa Casa
A jovem com deficiência é menor de idade e foi vítima de estupro; MPF recomendou abortamento humanitário

image MPF recomenda abortamento humanitário para pessoa com deficiência vítima de estupro no Pará
Recomendação foi expedida nesta quarta-feira (15)

Conforme a denúncia do MP, o aborto foi realizado em um quarto de motel em Augustinópolis, no norte do Tocantins. Erivelton, formado em medicina, teria recebido o auxílio de Lindomar, à época seu motorista, para realizar o procedimento.

Ainda durante as investigações, ao prestarem depoimento, prefeito e vereador ficaram em silêncio. O prefeito responde à ação sem foro especial por não exercer cargo público à época.

Confira a denúncia do Ministério Público

Segundo o MP do Tocantins, Erivelton e a vítima iniciaram um relacionamento em 2010 e ficaram juntos até 2013, quando ela teria descoberto que ele era casado e, então, encerrado a relação.

A vítima se casou com outro homem, mas, após o término da relação, em 2016, reatou com Erivelton. Meses depois, descobriu a gravidez. Ainda segundo a denúncia, no dia do crime, Erivelton e Lindomar buscaram a vítima em casa e se hospedaram no motel por volta das 12h15. No local, o médico e a mulher tiveram relações sexuais. Após o ato, ele realizou uma ultrassonografia em que confirmou a gestação.

Ele disse à mulher que faria uma coleta de sangue para a realização de exames, mas, segundo o MP, teria injetado um sedativo na vítima. No texto da denúncia consta que “neste momento de vulnerabilidade, ele realizou um procedimento de curetagem com o auxílio do segundo denunciado [Lindomar]".

Após o procedimento, Erivelton levou a vítima de volta para casa. Ela diz que, mesmo sedada, percebeu a presença de Lindomar no veículo. Na residência, o prefeito ligou para uma enfermeira, de quem é amigo, para prestar assistência à mulher, que "estava bem debilitada". Porém, a profissional de enfermagem não estava na cidade, e os dois réus "evadiram-se do local, deixando a vítima sozinha e desamparada", diz a denúncia.

Ao sair do local, Erivelton teria levado consigo o exame de sangue que atestava a gravidez e o cartão de gestante da mulher. Ainda segundo a denúncia, a enfermeira só conseguiu prestar socorro à mulher horas depois e a encontrou com sangramentos e um quadro de vômito

O MP também reuniu prints de uma conversa entre a mulher e Lindomar após o procedimento, em que ela relata dores e questiona como Erivelton "raspou" seu útero. O então motorista envia nas mensagens os nomes de alguns medicamentos prescritos por Erivelton para ela tomar.

"Dói demais. Eu podia ter morrido naquele motel. Não posso pedir colo nem para meus pais. Não sei como vou explicar para eles que não tem mais neném na minha barriga", diz uma das mensagens de texto.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱

Palavras-chave

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA