Paraense está entre os 200 golpistas soltos; Moraes manteve a prisão de 354

Os extremistas postos em liberdade deverão cumprir medidas cautelares

O Liberal

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, decidiu manter a prisão preventiva de 354 acusados de participar dos atos antidemocráticos de 8 de janeiro. Outros 220 investigados foram colocados em liberdade, mediante o cumprimento de medidas cautelares. Entre eles está o paraense Antônio Geovane Sousa de Sousa, de 23 anos. Morador de Novo Progresso, no sudoeste do Pará, Geovane já havia sido detido em 2018, por matar um homem a facadas, e chegou a ser foragido da Justiça. Até o fim desta quarta-feira (18), 574 presos tiveram suas audiências de custódia analisadas. As informações são do portal Metrópoles.

VEJA MAIS

image Anderson Torres fica em silêncio durante depoimento à Polícia Federal
Ele disse que não tinha declarações a dar aos investigadores

image Radical que quebrou relógio trazido por Dom João VI é identificado em grupo de WhatsApp em Goiás
A peça foi desenhada por André-Charles Boulle e fabricada pelo relojoeiro francês Balthazar Martinot no final do século XVII

image Foragido por atentado a bomba no DF foi autuado por violar caixão e publicar foto de cadáver
O blogueiro Wellington Macedo de Souza, 47 anos, é apoiador radical do ex-presidente Jair Bolsonaro e teve um cargo no ministério de Damares Alves

Nas prisões convertidas para preventivas, por tempo indeterminado, Moraes apontou evidências de crimes como atos terroristas, associação criminosa, golpe de estado, ameaça, perseguição e incitação ao crime. Daí, portanto, a necessidade de serem mantidas para garantir a ordem pública e a efetividade das investigações. 

Já para os investigados liberados foram estabelecidas as seguintes condições:

  • proibição de ausentar-se da comarca;
  • recolhimento domiciliar noturno e aos fins de semana, com uso de tornozeleira eletrônica;
  • proibição de ausentar-se do país;
  • cancelamento de passaportes;
  • suspensão de documentos de porte de arma de fogo;
  • proibição do uso de redes sociais; e
  • proibição de comunicar-se com os demais envolvidos.

As audiências de custódia foram delegadas para juízes federais e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. As informações sobre os presos são centralizadas no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e remetidas ao ministro, a quem cabe decidir sobre a manutenção das prisões. A análise dos casos pelo ministro segue até a sexta-feira (20).

Veja AQUI lista dos que foram soltos.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA