Lideranças repercutem decisão do presidente Bolsonaro (PL) de pedir anulação de votos

João Amoedo; presidente do PT, Gleisi Hoffmann; e Rodrigo Pacheco consideram a atitude irresponsável, mas Bia Kicis e Mário Frias a defendem

O Liberal

As redes sociais em todo o país repercutem a decisão do presidente Jair Bolsonaro e do Partido Liberal (PL) de pedir a anulação dos votos registrados em 279 mil urnas eletrônicas no Segundo Turno das eleições 2022, realizado em 30 de outubro passado. Ex-candidato à Presidência pelo Partido Novo, João Amoedo chama a atitude de 'irresponsável e diz que ela quer tumultuar a transição'.

"O PL, em uma atitudade irresponsável e com o intuito de tumultuar a transição, questiona a confiabilidade das urnas. Mas só as do 2º turno, mesmo tendo sido as mesmas utilizadas no 1º turno", escreveu Amoedo no twitter, na tarde desta terça-feira (22).

VEJA MAIS

Veja a íntegra da representação do PL no TSE apontando supostas inconsistência de urnas eletrônicas
Representação eleitoral detalha informações que constam em relatório gerado por auditoria contratada

Em coletiva, PL detalha representação ao TSE sobre urnas eletrônicas; vídeo
Representação foi apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral e cita modelos específicos de urnas

Ainda, segundo Amoedo, "Alexandre de Moraes demanda, corretamente, que o PL apresente o relatório dos 2 turnos".

A representação assinada pela coligação "Pelo Bem do Brasil", que reúne PL, PP e Republicanos, foi protocolada na tarde desta terça-feira (22), no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O assunto tem grande aderência de comentários contra e a favor nas redes sociais. 

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, também reagiu nas redes sociais contra a decisão do Presidente da República e do PL de pedir anulação de votos.

"Ação de Bolsonaro no TSE é chicana que tem de ser punida como litigância de má-fé. Chega de catimba, de irresponsabilidade, de insultos às instituições e à democracia",  escreveu a presidente do PT.

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) disse que ação é uma insensatez. A legenda lembrou que o sistema eleitoral brasileiro "já elegeu líderes de centro de direita e de esquerda utilizando a urna eletrônica".

"É uma insensatez e terá a objeção das nossas instituições, da comunidade internacional e da sociedade brasileira. O momento é de colaborar democraticamente com a transição de governo", compartilhou o PSDB.

Para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, "o resultado das urnas é inquestionável", afirmou ele. Pacheco disse ao site 'O Antagonista' que não acompanhou detalhes do relatório do PL sobre urnas eletrônicas, mas que reconhece o resultado que elegeu Lula. 

“O que eu tenho é o conhecimento nacional é de que o resultado e o relatório de urnas válidos são do dia 30 de outubro, quando houve a abertura das urnas e foi dada a vitória do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva”, disse. “Eu considero que esse fato é inquestionável”, acrescentou.

Pacheco afirmou, porém, que é necessário que se conheça “quais são os argumentos, para poder eventualmente responder” às demandas do partido. 

Deputados federais eleitos defendem Jair Bolsonaro e o PL

Reeleita deputada federal pelo PL, Bia Kicis defendeu a posição de Jair Bolsonaro e do partido que ela integra. "Só pra deixar uma coisinha clara. Quem decide o que quer pedir ao juiz é a parte e não o juiz. Ao juiz cabe analisar o pedido e seus fundamentos, que no caso são técnicos e não retórica jurídica. Mas Alexandre não está ligando para as normas mais básicas do processo, ao que parece", afirmou ela no Twitter, na noite desta terça-feira.

Kicis disse que o que a interessa é a lisura do pleito. "Não tenho medo de lutar pela verdade. O povo quer transparência", afirmou. "Queremos transparência nas eleições mesmo que isso custe o mandato dos já eleitos. Não há democracia sem transparência e muito menos com censura. Estamos vivendo momentos muito difíceis que precisam ser denunciados! Hoje vivemos uma verdadeira ditadura do judiciário", complementou a deputada federal.

Ex-secretário de Cultura de Jair Bolsonaro, o agora deputado eleito pelo PL, Mário Frias, também reagiu a favor do presidente da República. "Queremos transparência nas eleições mesmo que isso custe o mandato dos já eleitos. Não há democracia sem transparência e muito menos com censura", afirmou ele.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA