Ibama gastou quase R$ 30 milhões em aluguel de carros, diz ministro

Bolsonaro compartilhou mensagem divulgada por Ricardo Salles

Redação Integrada

No início da tarde deste domingo (6), o novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para comandar a pasta nos próximos anos, denunciou em sua conta no Twitter que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) teria utilizado quase R$ 30 milhões com aluguel de carros.

O documento teria sido assinado no dia 7 de dezembro de 2018, ainda na gestão de Michel Temer, com vigência até 7 de dezembro deste ano. O ministro publicou uma foto com as informações. O valor exato seria de R$ 28.712.000.

Agora presidente da República, Bolsonaro compartilhou a denúncia em sua conta oficial na plataforma, escrevendo que o novo governo está "desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas. A certeza é: havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!", escreveu. Alguns minutos após a publicação, Bolsonaro apagou a mensagem.

Ricardo Salles, advogado de 43 anos, filiado ao partido Novo, foi condenado há menos de duas semanas, em primeira instância, à perda dos direitos políticos por improbidade administrativa durante sua passagem pela Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, entre 2016 e 2017. A sentença saiu no último dia 19, quando Salles já havia sido nomeado ministro por Bolsonaro.

O juiz Fausto José Martins Seabra, da 3ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, considerou Ricardo Salles culpado de favorecer empresas de mineração ao alterar mapas de zoneamento do plano de manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Tietê, que envolve 12 municípios da região metropolitana de São Paulo, inclusive a capital.

Política