Defesa de Juscelino Filho pede que STF encerre investigação

Ministro das Comunicações é suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa

O Liberal
fonte

A defesa de Juscelino Filho, ministro das Comunicações, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o encerramento da investigação que apura suposto desvio de recursos de emendas parlamentares. A petição foi apresentada nesta sexta-feira (14).

No documento, os advogados criticam as informações repassadas pela Polícia Federal à Corte. Segundo eles, no processo não há “delimitação clara de fato criminoso”, tampouco elementos que mostrem indícios de que o crime foi praticado.

VEJA MAIS

image Indiciado por corrupção, ministro Juscelino Filho tem 'direito de provar que é inocente', diz Lula
Presidente não tomou decisão sobre permanência do ministro no cargo. União Brasil deve ser consultado antes de qualquer decisão

image Ministro Juscelino Filho é indiciado pela PF por suspeita de corrupção e organização criminosa
Investigações envolvem suporto desvio de recursos da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf)

image STF bloqueia R$ 835 mil do ministro das Comunicações em investigação de desvios na Codevasf
Defesa de Juscelino Filho nega em nota qualquer irregularidade cometida pelo ministro

“Em seguida, a autoridade policial iniciou — apesar da ausência de uma hipótese criminal clara e delimitada — ilegal devassa na vida do peticionário”, diz o documento. A defesa ressalta ainda que houve direcionamento da investigação para envolver o ministro.

Entenda

Juscelino Filho é suspeito de ter cometido os crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A suspeita é que emendas parlamentares tenham sido enviadas, via Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), para a pavimentação de ruas na cidade de Vitorino Freire (MA). A irmã do ministro é a prefeita do município.

As conclusões da Polícia Federal, que resultaram no indiciamento, foram enviadas ao STF na terça-feira (11). O relator é o ministro Flávio Dino.

Andamento

Cabe, agora, à Procuradoria-Geral da República (PGR) decidir se o denuncia, arquiva o processo ou solicita novas diligências à PF.

Em nota divulgada na quarta-feira (12), Juscelino afirmou que é inocente e que a ação contra ele é “política e previsível”.

“É importante lembrar que o indiciamento não implica em culpa. A Justiça é a única instância competente para julgar, e confio plenamente na imparcialidade do Poder Judiciário. Minha inocência será comprovada ao final desse processo, e espero que o amplo direito de defesa e a presunção de inocência sejam respeitados”, afirma o ministro no comunicado.

Em nota, a Codevasf informou que mantém o compromisso com a elucidação dos fatos sob investigação. “Embora os recursos que custearam obras no município tenham sido provenientes da Codevasf, as atividades de contratação dos serviços e de acompanhamento de sua execução foram realizadas pela prefeitura municipal”, completa.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA