Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Entenda a operação que deixou 22 mortos em Vila Cruzeiro, entre eles, paraenses

Operação tinha o objetivo de capturar foragidos da justiça ligados à facção criminosa de abrangência nacional

Camila Guimarães

Nesta terça-feira (24), uma operação emergencial foi deflagrada para capturar foragidos da justiça ligados ao tráfico de drogas e a uma facção criminosa de abrangência nacional. A operação foi do Batalhão de Operações Especiais (Bope) do Rio de Janeiro e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), com informações de inteligência da Polícia Federal (PF) e da Polícia Civil do Estado do Pará (PC). O confronto terminou com 22 pessoas mortas, entre elas, paraenses, sendo um deles, Eraldo de Novaes Ribeiro, possível liderança do tráfico de drogas do Pará.

VEJA MAIS

Ao menos 22 pessoas morreram em operação policial na Vila Cruzeiro; saiba quem são as vítimas
Número de mortos e feridos está sendo passada pelo hospital para onde as vítimas estão sendo levadas.

Paraenses estão entre mortos em operação do Bope contra tráfico de drogas na Vila Cruzeiro no RJ
A Polícia Militar carioca informou que três paraenses estão entre os suspeitos mortos

Saiba quem é Eraldo, paraense suposto chefe de tráfico do Pará, morto em operação do Bope no RJ
Eraldo de Novaes Ribeiro está entre os 22 mortos de uma operação do Bope em Vila Cruzeiro. Polícia Civil carioca confirma outros paraenses envolvidos em ataques a agentes de segurança

A operação foi realizada na Vila Cruzeiro, na Zona Norte do Rio e, segundo informações do Bope-RJ e da PRF, tinha o objetivo de frustrar a intenção da facção criminosa de fortalecer o grupo na favela da Rocinha, zona Sul do município.

Durante a operação, teria havido um intenso confronto, iniciado a partir de um ataque à tropa do Bope, enquanto ela se aproximava da comunidade, segundo informações do porta-voz da PM (RJ), tenente-coronel Ivan Blaz. Ele afirma, ainda, que havia cerca de 60 homens do tráfico no alto da comunidade.

Já o comandante do Bope-RJ, tenente-coronel Uirá do Nascimento Ferreira, afirma que a região estava repleta de barricadas. “Tivemos dificuldade de avançar. Empenhamos 80 homens nessa missão. Os criminosos responderam com muita violência e foram neutralizados”, conta.

Após o confronto, os feridos foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas. Ao menos 22 pessoas acabaram mortas, sendo uma delas moradora da comunidade e uma ainda não identificada. As outras 12 seriam suspeitas de integrar a facção criminosa Comando Vermelho.

Até às 17h40 desta terça-feira, a polícia confirmou 22 mortes: 12 pessoas teriam envolvimento com o crime; uma era moradora da comunidade e foi atingida por uma bala perdida dentro de casa, e outra vítima não identificada deu entrada no Hospital Estadual Getúlio Vargas, para onde foram levados os feridos, já em óbito.

Confira a lista dos nomes já identificados entre os mortos na operação:

Gabrielle Ferreira da Cunha, moradora;
André Luiz Filho, o SDQ, suspeito;
Carlos Henrique Pacheco da Silva, suspeito;
Eraldo de Novaes Ribeiro, suspeito, nascido no Pará;
Geovane Ribeiro dos Anjos, o Pinguim ou Do Gelo, suspeito;
Leonardo dos Santos Mendonça, suspeito;
Marcelo da Costa Vieira, suspeito;
Maycon Douglas Alves Ferreira da Silva, o Maiquim, suspeito;
Patrick Andrade da Silva, o PT, suspeito;
Roque de Castro Pinto Junior, suspeito, nascido no Amazonas;
Sebastião Teixeira dos Santos, suspeito;
Um homem, ainda não identificado, suspeito;

De acordo com o tenente-coronel Ivan Blaz, a moradora Gabrielle Ferreira da Cunha foi atingida dentro de casa, em uma comunidade vizinha à Vila Cruzeiro, chamada Chatuba, que não era alvo da operação. “Não havia tropa naquela região. Provavelmente foi atingida por um disparo de uma arma de longo alcance”, afirmou o militar.

Paraense estaria entre a liderança de facção criminosa

Um dos suspeitos mortos na operação foi identificado como o paraense Eraldo de Novaes Ribeiro. Ele já havia sido condenado por um assalto ao Banpará do município de Moju, pertencente à Microrregião de Tomé-Açu, em março de 2016.

As acusações eram de roubo majorado, formação de quadrilha ou bando e registro e/ou porte de arma de fogo. No assalto, os acusados levaram como reféns funcionários do banco, que foram abandonados na estrada. O crime também resultou em tiroteio e mortes.

Ainda não há maiores detalhes da ação de Eraldo dentro da facção criminosa, mas a Polícia Civil do Estado do Pará (PC) chegou a afirmar, em nota, que, entre os mortos na operação em Vila Cruzeiro havia "criminosos do Pará envolvidos em recentes ataques contra a vida de agentes de segurança pública".

A operação na Vila Cruzeiro resultou, ainda, na apreensão de 11 fuzis, quatro pistolas e uma granada, além de outros bens relacionados à delitos, e que a operação segue em curso. A PC reforça que ações de combate ao crime organizado continuarão a ser adotadas para reprimir qualquer ato que atente contra o povo paraense, o Estado do Pará e seus agentes.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA