Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Empresários e advogado são presos sob suspeita de envolvimento em crimes sexuais contra adolescentes

Prisões fazem parte da operação “Book Rosa”, que investiga crimes como estupro de vulnerável e prostituição de adolescentes

O Liberal (com informações do portal Correio de Carajás)

A Polícia Civil cumpriu mandados de prisão contra os empresários Mauro de Souza Davi, conhecido pelo apelido de “Marola”, que atua na promoção de shows, e Eduardo Liebert Araújo dos Santos, do ramo de segurança patrimonial, e contra o advogado Antônio Araújo Oliveira, conhecido como “Toni”, na manhã desta quarta-feira (23), em Parauapebas.

De acordo com a delegada Ana Carolina Carneiro, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), a operação “Book Rosa” investiga crimes de estupro de vulnerável, prostituição de adolescentes, tirar proveito da prostituição alheia e impedimento de adolescente sair da prostituição. O intermediador entre as vítimas e os abusadores não foi localizado e é considerado foragido. As informações são do portal Correio de Carajás.

Ana Carolina explica que a investigação foi iniciada em setembro de 2020 e apontou que uma pessoa induzia adolescentes à prostituição, fazendo contato com os clientes e intermediando os encontros. Inicialmente, foram identificadas duas vítimas, uma de 13 anos e outra de 16 anos. “Era uma prática corriqueira dos abusadores e elas eram submetidas a toda forma de violação de direitos”, comenta.

A delegada afirma, ainda, que uma das meninas relatou ter sido alugada por um mês para um homem. “Durante escuta das vítimas foram relatadas coisas absurdas. Eles dificultavam elas saírem da exploração sexual. Para uma vítima explorada desde os 11 anos pediam para levar as irmãs mais novas. Os abusadores pediam para que amigas mais novas fossem trazidas e abusadas. Quanto mais novas as vítimas mais dinheiro ofereciam”, relata.

A Polícia Civil dará seguimento à investigação no intuito de identificar outros possíveis abusadores. Ao todo, foram descobertas quatro meninas que sofreram os abusos e três delas prestaram depoimento. A quarta ainda não foi localizada. “Muitos desaparecimentos na cidade estavam relacionados com o caso. As vítimas passavam muito tempo fora da cidade e sofriam várias violações. Eram obrigadas a usar drogas e excesso de álcool. Uma entrou em coma e há fotos com armas apontadas para a cabeça”, afirma Ana Carolina.

O advogado Giovane Oliveira Junior, que representa o colega Antônio Araújo, informou ainda não ter tido acesso ao inquérito e que só deverá se posicionar após os fatos serem detalhados. “Nesse momento não vamos manifestar sobre o fato e possivelmente a gente pode marcar uma entrevista coletiva para esclarecimentos”. Os demais ainda não tiveram advogados nomeados.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA