Em Capanema, homem implora por sua vida, mas é morto com tiro na cabeça por ciclista

Rapaz pode ter sido assassinado por causa de 200 reais, valor de um celular que ele não pagou

Caio Oliveira

Por volta das 9h desta quinta-feira (07), Vinícius Maciel, de 28 anos, foi morto a tiros no município de Capanema, nordeste paraense, em um crime com claras características de execução. Segundo a Polícia Militar, o homem foi assassinado por um ciclista, que chegou ao local pedalando, disparou contra a cabeça de Vinícius, e fugiu, deixando poucas pistas para trás.

O crime foi na frente da casa da vítima, que fica na Estrada Tauari, no conjunto José Rodrigues, no chamado "bairro da Caixa D'água". O rapaz, que tinha um ponto de venda de açaí, foi abordado pelo homem de bicicleta, que teria chamado Vinícius pelo nome. Quando a arma estava apontada para sua cabeça, Vinícius ainda teria gritado: "Eu vou te pagar! Vou te pagar, por favor, não me mata!", mas o assassino não deu ouvidos aos pedidos de clemência e disparou várias vezes, com pelo menos dois tiros atingindo a cabeça do comerciante.

Segundo a Polícia Civil de Capanema, a esposa da vítima disse que o homem comprou um aparelho celular, mas ainda não havia pagado pelo telefone, que foi vendido pelo valor de 200 reais, e essa era a única explicação que ela conseguiu dar para a morte do marido. Ela disse que não sabia quem havia vendido o aparelho para Vinícius.

Ainda de acordo com a viúva, Vinícius não era usuário de drogas e nem tinha qualquer outro vício, e tirava o sustento da família da revenda do açaí. O homem deixou a esposa e dois filhos, sendo um de quatro anos e outro de apenas um ano de idade. O 11º Batalhão de Polícia Militar (BPM) segue fazendo buscas pela região, tentando localizar o assassino, mas não havia conseguido prender nenhum suspeito até o fim da manhã.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA