logo jornal amazonia

Caso Yasmin: defesa de Lucas Magalhães, dono da lancha, diz que prisão foi ilegal

Segundo o comunicado divulgado nesta sexta-feira (4), o enclausuramento não atende às normas do Supremo Tribunal Federal

O Liberal

Um dia após a prisão de Lucas Magalhães, dono da lancha envolvida no caso Yasmin Macêdo, a defesa do acusado, representada pelos advogados criminalistas Antônio Vitor Cardoso Tourão Pantoja, Paulo Andrey de Azevedo Maia e Frank Anderson Lima Marques de Souza, divulgou uma nota à imprensa, afirmando que a prisão foi ilegal e que “inexistem os pressupostos para aplicação da prisão preventiva”. Segundo o comunicado divulgado nesta sexta-feira (4), o enclausuramento não atende às normas do Supremo Tribunal Federal (STF).

VEJA MAIS

Caso Yasmin: entenda por qual motivo o dono da lancha foi preso
Após 11 meses da morte da jovem Yasmin, o dono da lancha envolvida no caso, Lucas Magalhães, foi preso na última quinta-feira (3)

Caso Yasmin: defesa da família da vítima alega que passageiros da lancha prejudicaram a investigação
Segundo Luiz Araújo, os 15 passageiros que presenciaram o caso poderiam ter ajudado a polícia com mais detalhes nos depoimentos

Caso Yasmin: pai comemora prisão e aponta responsabilidade do dono da lancha na morte da filha
"Tu matou a minha filha", disse Ricardo Macêdo, pai de Yasmin

“Entendemos que os fatos investigados pela Divisão de Homicídios do Estado do Pará datam de dezembro de 2021, mas somente quase um ano depois é que a autoridade policial requereu a prisão preventiva do Sr. Lucas, o que caracteriza uma prisão extemporânea pela jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, perdendo seu valor e não conseguindo atender as necessidades do curso do processo, se não somente saciar a espetacularização do caso pela repercussão midiática”, diz um trecho do documento.

VEJA MAIS

Caso Yasmin: 'preciso que esse homem apodreça na cadeia', diz mãe da vítima sobre o dono da lancha
A mãe da vítima disse que só obteve justiça após quase um ano da morte da filha

Caso Yasmin: após prisão do dono da lancha, polícia tem prazo de 10 dias para concluir inquérito
O acusado foi encaminhado para a Divisão de Homicídios (DH), em Belém

Entenda a prisão

Lucas Magalhães, dono da lancha envolvida no caso Yasmin Fontes Cavaleiro de Macêdo, foi preso na quinta-feira (3). A Polícia Civil do Pará cumpriu um mandado de prisão preventiva contra ele, expedido pela 1ª Vara de Inquéritos Policiais. O acusado foi preso pelo crimes de homicídio por dolo eventual, fraude processual, porte ilegal de arma de fogo e disparo de arma de fogo. Lucas foi encontrado em uma loja automobilística de Ananindeua, e encaminhado à Divisão de Homicídios (DH), em Belém.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA