Briga por celular termina com um morto, um ferido e outro foragido em Uruará

Ademir, conhecido como 'Mangulão', foi esfaqueado. Amigo 'tomou as dores' e matou agressor.

Redação Integrada

Uma briga por conta de um celular tomou rumos inesperados em Uruará, no sudoeste paraense. O motivo fútil resultou na morte de um homem, em uma segunda vítima esfaqueada e um terceiro envolvido foragido. O caso ocorreu na noite de domingo (21), em uma fazenda localizada no Travessão do Zero Norte, área rural da cidade.

Até o momento, apenas Ademir, conhecido pelo apelido de "Mangulão", foi identificado na história. Segundo o portal Correio de Carajás, tudo teve início com a discussão entre Ademir e outro homem - que havia chegado na fazenda há cinco dias - por conta de um celular. Não há detalhes sobre a briga, entretanto sabe-se que, em determinado momento, o segundo envolvido esfaqueou Ademir.

A vítima correu em busca de ajuda e foi salva por um amigo. Foi esse terceiro homem que, irritado com o que tinha ocorrido com Ademir, resolveu "tomar as dores" do colega. Ele procurou o autor do esfaqueamento e, ao encontrá-lo, o atingiu com um disparo de arma de fogo, calibre 20. O tiro atingiu a região torácica e o rosto do agressor.

O baleado, que não foi identificado pelas autoridades policiais, chegou a ser socorrido e levado ao Hospital Municipal de Uruará, onde faleceu algumas horas depois. O cadáver foi removido pelo Instituto Médico Legal (IML) de Altamira. A vítima estava sem documentos de identificação.

Já "Mangulão" também deu entrada no Hospital Municipal. Ele passou por cirurgia e segue internado. O estado de saúde dele é estável.

O autor do disparo, entretanto, não havia sido localizado até a publicação desta reportagem. 

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Polícia Civil do município.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA