Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Na Seleção Brasileira, paratleta de basquete em cadeira de rodas sonha com vaga para as Paralimpíadas de Paris

Rildo Saldanha fez parte dos treinamentos do Brasil para a disputa da Copa América; paraense quer se firmar na equipe para fazer parte do ciclo paralímpico

Aila Beatriz Inete

O sonho de todo atleta, em qualquer modalidade, é um dia poder chegar na Seleção Brasileira. E este desejo o paraense Rildo Saldanha já conseguiu alcançar. O jogador de basquete em cadeira de rodas foi convocado para participar dos treinamentos que visam a Copa América da modalidade este ano, mas ainda precisa assegurar seu nome na lista final que vai para a competição.

A última convocação ocorreu no mês de março, mas os treinamentos foram realizados no início de abril, entre os dias 4 e 8. O principal objetivo da Seleção Brasileira é se preparar para a Copa América de basquete em cadeira de rodas, que ocorre no mês de julho, em São Paulo. Além de Rildo, o paratleta David Pontes também foi selecionado, mas acabou não conseguindo participar desse período de treinos. 

Esta não é a primeira vez que Rildo é chamado para a Seleção Brasileira. No segundo semestre do ano passado, quando as competições retornaram, o paratleta conseguiu uma vaga entre os 12 selecionados e disputou o Sul-Americano, do qual foi vice-campeão com a equipe. Agora, o objetivo é estar na lista para a Copa América. 

“Estamos confiantes que quando sair a lista dos 12 [selecionados] vai ter o Pará representado para estar na Copa América. Estamos treinando pesado, temos uma competição em maio no Rio de Janeiro e já estamos em ritmo de competição”, contou o paraense. 

VEJA MAIS 

Paraenses são convocadas para treinamentos com a Seleção feminina de Basquete em cadeira de rodas
Desta vez, seis atletas do Pará foram chamadas. A equipe brasileira se prepara a disputa da Copa América, que ocorre em julho, em São Paulo

Atletas do All Star Rodas são convocados para treinamento na Seleção Brasileira de basquete em cadeira de rodas
Convocação visa preparação para a Copa América, que ocorre em julho, em São Paulo

Projeto voltado para o tênis em cadeira de rodas visa mais inclusão ao esporte
Federação Paraense vai criar iniciativa voltada para a nova modalidade

Rildo, que é atleta do time paraense All Star Rodas de Belém, começou no esporte há 18 anos. Ele ressalta que antes de praticar o basquete sempre dependia de alguém, mas depois que conheceu a modalidade passou a se sentir seguro e independente. 

“Eu tive o início aos 15 anos de idade. E eu costumo dizer que a minha vida se resume a antes e depois do All Star Rodas, que é o esporte paralímpico da minha vida. Antes eu era dependente para ir para qualquer lugar, eu sempre tinha que ser levado por alguém. E o esporte me deu essa visão do mundo, de que eu posso fazer o que eu quiser. Hoje eu tenho dois filhos, faço curso de administração e, graças a Deus, sou um dos atletas da seleção brasileira de basquete”, declarou o paratleta. 

Wilson Caju, treinador do All Star Rodas, ressaltou que Rildo é um atleta muito persistente e que a convocação dele para a Seleção Brasileira é fruto de muito trabalho e dedicação. Além disso, o técnico pontuou que ter atletas paraense na equipe do Brasil, mostra que o Pará tem muito potencial no esporte. 

“[Com o Rildo], fizemos vários treinos individuais, em termos de cadeira, arremessos, habilidades, porque isso para nós é muito importante. Ter um atleta na Seleção Brasileira principal, com o nosso centro é muito longe dos grandes de basquetebol, mostra o trabalho desenvolvido aqui, que temos capacidade de ter em Belém equipes fortes. Em outros estados, os atletas recebem para jogar, aqui não, é um apoio”, relatou Wilson Caju. 

Paratletas em treinamento com a equipe do All Star Rodas (Igor Mota/O Liberal)

Para o paraense, estar na Seleção Brasileira, entre os melhores do Brasil, é um aprendizado constante. Além disso, Rildo ressaltou que o time tem uma ótima estrutura para os treinamentos. 

“Tudo o que aprendo lá eu passo para o meu clube. E, em relação a estrutura, em comparação com os outros clubes, é de primeiro mundo, às vezes aqui a gente tem que adaptar algumas situações que não é igual na Seleção”, expôs o paratleta.  

basquete em cadeira de rodas

Rildo também revelou que um dos seus sonhos é chegar nas Paralimpíadas de Paris 2024, na França. Mas, neste momento, o foco principal é na Copa América, já que é esta competição que pode garantir o Brasil no Mundial de Basquete em Cadeira de Rodas.

“Acredito que o sonho de qualquer atleta é conquistar uma medalha olímpica ou paraolímpica, e eu não sou diferente disso. Meu objetivo é chegar na França. O foco principal é escalar os degraus, fazer parte desse ciclo, dessa caminhada até Paris”, finalizou Rildo.

(Aila Beatriz Inete, estagiária, sob supervisão de Pedro Cruz, coordenador do Núcleo de Esportes)

 

Mais Esportes
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM MAIS ESPORTES

MAIS LIDAS EM ESPORTES