Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Tradicional almoço: faltando um mês para o Círio, quilo do pato congelado chega a R$ 26 em Belém

De acordo com o Dieese, o pato vivo está sendo vendido no Ver-o-peso e na Feira da 25, em Belém, por preços que variam de R$ 70,00 a R$ 80,00

O Liberal

Faltando um mês para o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA) divulgou a primeira pesquisa de preços com produtos do tradicional almoço do Círio. Segundo o levantamento, o quilo do pato congelado comercializado na capital paraense varia entre R$ 19,35 e R$ 26,00, conforme levantamento feito entre os dias 04 e 09 de setembro. No mesmo período do ano passado, o produto custava, em média R$ 18, segundo o estudo divulgado na época.

De acordo com o Dieese, o pato vivo está sendo vendido no Ver-o-peso e na Feira da 25, em Belém, por preços que variam de R$ 70,00 a R$ 80,00. Em setembro do ano passado, foi encontrado nesses mesmos lugares custando entre R$ 60,00 a R$ 100,00.

A entidade observa que, por causa dos preços elevados, o pato muitas vezes é substituído por outros alimentos, como o frango. Por isso, também foi realizado um levantamento do preço desse produto.

O quilo do frango congelado da marca Avispará, comercializado em supermercados da capital, por exemplo, pode ser encontrado com preços variando entre R$ 8,88 a R$ 12,99. Já o frango resfriado da marca Americano pode ser encontrado nos Supermercados com os preços variando entre R$ 11,15 a R$ 14,99. O frango vivo comercializado em feiras livres da Grande Belém tem os preços variando entre R$ 7,00 a R$ 8,00.

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA