Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Mais de 2.500 adolescentes tiraram o título de eleitor para 2022

Mesmo assim, o eleitorado com idade inferior a 18 anos representa apenas 0,25% do total, diz TRE-PA

Elisa Vaz

O interesse de adolescentes para as eleições deste ano, em que serão escolhidos o novo presidente, governadores, deputados e senadores, tem crescido. Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA), de dezembro de 2020 para cá, um total de 2.545 novos eleitores desta faixa etária foram registrados no Pará. Em comparação com a última eleição, em 2020, o comparecimento está maior, mas o órgão lembra que aquele foi um ano atípico, de pico da pandemia da covid-19.

Esses jovens, assim como todos os outros votantes das eleições de 2022, têm até o dia 4 de maio para tirar o título pela primeira vez ou regularizar alguma pendência. O secretário de tecnologia da informação do TRE-PA, Alessandro Cruz, explica que isso ocorre porque 151 dias antes das eleições o cadastro eleitoral fica suspenso, de modo que, neste período, não é possível receber novos eleitores, realizar transferência de locais ou a revisão de dados. Segundo ele, a Justiça Eleitoral precisa deste intervalo para fazer os preparativos para o dia da eleição, com os dados dos eleitores, das seções eleitorais e dos candidatos. O cadastro eleitoral é reaberto finalizados os procedimentos do segundo turno, nos dias após a votação.

Já no comparativo com pleitos anteriores, como de 2014 e 2018, a procura está abaixo do esperado. O TRE-PA aponta que o eleitorado com idade inferior a 18 anos, quando a votação ainda não é obrigatória, representa apenas 0,25% do total. Por isso, a Justiça Eleitoral desenvolve algumas ações e campanhas para estimular que estas pessoas tirem seus títulos e vão às urnas.

Para a coordenadora da Escola Judiciária Eleitoral, Elaine de Jesus Santana, este é um segmento que precisa ser representado, tem sua importância no contexto, mesmo não sendo obrigatório, e que tem uma voz muito importante, visto que esta é uma conquista que a Constituição trouxe desde 1988. “Temos promovido algumas ações, como o Eleitor do Futuro, projeto nacional que tem mais de 10 anos. Por meio dele, vamos às escolas fazer palestras e ações de cidadania para que esse eleitor tenha consciência da importância do voto, e também damos dicas de onde tirar o título; estamos hoje em várias escolas da Região Metropolitana de Belém (RMB) e no interior do Estado, como Marabá, Ulianópolis, Redenção, Monte Dourado e outras cidades”, afirma.

Além disso, o Tribunal conta com 34 Zonas Eleitorais, que, por meio do projeto 1º Grau de Cidadania, serão multiplicadoras junto às escolas levando o Eleitor do Futuro. “Temos um grande projeto, capitaneado agora na gestão da desembargadora Nadja, que é o Liga Jovem: rodas de conversas, folders e cards direcionados ao jovem, momentos com teatro, cultura, dança e mais. Junto com essas ações de cidadania levamos também o alistamento eleitoral. Por último, temos vídeos feitos pela Escola Judiciária Eleitoral que estimulam, esclarecem e disseminam a importância de o eleitor se inscrever, tirar o título e, além disso, votar consciente nas eleições”, declara a coordenadora do projeto.

Adolescentes querem votar

Em meio a tantos jovens isentos, que ainda não se preocupam em votar, existem muitos outros que vêem no ato uma obrigação de cidadão. É o caso de Nicoly Gabriela, estudante de 17 anos, que vai votar pela primeira vez nas eleições deste ano. Segundo ela, o motivo de ter optado por participar do pleito mesmo sem ser obrigada é um só: decidir o futuro do país.

A jovem conta que está “bastante” ansiosa para votar pela primeira vez, mas ainda vai tirar seu título de eleitora. “Com o voto certo, com toda certeza, tudo pode mudar”, diz. Nicoly tem esperança de que os adolescentes se engajem mais nas eleições deste ano, e diz que “os votos dos jovens podem contribuir muito para a melhoria do nosso país e da nossa sociedade, basta pensar bem em quem queremos eleger”, afirma.

Outro estudante, Rui Corrêa, de 17 anos, também vai votar pela primeira vez em 2022 e já tirou seu título de eleitor há algumas semanas. Nas últimas eleições, ele ainda não cumpria a idade mínima, então diz que está “muito ansioso”, pois, para ele, é um grande símbolo da cidadania no Brasil. O que o fez querer votar agora foi por se tratar da eleição para a presidência do país. “O voto direto é imprescindível em qualquer democracia, é de extrema importância para o país, além de ser um direito conquistado com muito esforço. Os jovens votantes contribuem para o fortalecimento da democracia e influenciam outras pessoas da mesma faixa etária a se engajar cada vez mais politicamente”, opina o jovem.

Serviços online

A Justiça Eleitoral do Pará disponibiliza uma série de serviços à população por meio da internet. Confira alguns:

- Autoatendimento do Eleitor: para alistamento, revisão, transferência de domicílio e regularização de títulos cancelados
- Imprimir Título Eleitoral: geração do título eleitoral em PDF, para impressão
- Disque Eleitor: (91) 3346-8100. Horário: das 8h às 14h em dias úteis.
- Consulta da Situação Eleitoral: para verificar se o título está regular ou cancelado
- Multas: eleitor em débito, para obter a guia de multa pela internet
- Certidões eleitorais: quitação, crimes e partidárias
- Justificativa eleitoral: regularização da ausência às urnas
- Local de votação: consultar o endereço do local de votação
- Acessibilidade: informações sobre o voto acessível
- Mesárias e Mesários: informações de folgas, declaração de trabalhos e vale-alimentação
- Agendamento para atendimento presencial

Palavras-chave

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA