Elaboração de currículo ajuda a conquistar vagas

Afirmação é de analista de carreira entrevistado pela redação de O Liberal

Elisa Vaz / Redação Integrada

O início do ano é a época em que mais trabalhadores saem à procura de emprego. Com a conclusão de cursos de nível médio, técnico e superior, a busca por postos de trabalho fica mais competitiva durante o mês de janeiro.

Segundo o analista de carreira John Pablo Pinheiro, professor em cursos de Administração e Recursos Humanos da Universidade da Amazônia (Unama), uma das etapas mais importantes para conseguir um emprego é o currículo, que passa pela análise de especialistas atualizados no mercado.

Em muitos casos, os candidatos não são chamados para as próximas fases do recrutamento por falta de atenção na hora de produzir um currículo. Para Pinheiro, esse documento de apresentação deve ser estruturado de acordo com requisitos determinados pela área de RH.

"Em muitas situações é possível saber qual o perfil do candidato, apenas analisando o currículo. Ele define as características profissionais da pessoa. Como o setor de Recursos Humanos é cheio de demandas, o currículo precisa ser completo e não pode deixar dúvidas no recrutador, porque ele vai escolher apenas os melhores", explicou.

Para ajudar os trabalhadores em busca de espaço no mercado, o analista de carreira deu dez dicas de como fazer uma boa apresentação. Confira:

1 - OBJETIVIDADE

Essa é a primeira dica do especialista. Segundo ele, os melhores currículos são diretos, sem muito texto e com informações precisas. Logo no topo da página, o candidato deve colocar o nome completo e dados básicos, como nacionalidade, estado civil, endereço, telefone para contato e e-mail.

"Não é necessário informar o número do RG, CPF e CNH, porque ao ser recrutada, a pessoa precisará apresentar todos esses documentos pessoalmente", disse. Quanto aos adjetivos sobre si, só se deve incluir os que dizem respeito à área de atuação para a vaga ofertada, como as experiências de antigos empregos que podem contribuir para o novo trabalho. Nesse tópico ainda cabem as experiências em intercâmbios.

2 - ÁREA DE INTERESSE

"O candidato sempre precisa dizer onde deseja trabalhar, para que o recrutador não fique sem saber para onde encaminhá-lo. Se o profissional não mostrar clareza, ele mesmo se excluirá da seleção. É preciso checar se a área de interesse tem relação com a experiência adquirida em outras empresas e se está de acordo com a formação, seja em nível técnico ou superior", orientou Pinheiro. A indicação é que se coloque até duas informações sobre a área de interesse. 

3 - FORMAÇÃO ACADÊMICA

Citar o curso estudado, além da instituição e período de ingresso e conclusão, é muito importante nesse tópico, segundo o analista de carreiras. O candidato à vaga também deve informar se o curso foi de bacharelado ou licenciatura e, caso ainda seja estudante, em que semestre se encontra, até para possíveis contratações no futuro.

4 - IDIOMAS E INFORMÁTICA

De acordo com o especialista, nesse item o profissional deve informar toda a sua experiência relacionada às duas áreas, como os conhecimentos em softwares e programas de informática, cursos de computação e idiomas, além do local e da data em que foram realizados. "Caso a pessoa não tenha cursado nenhuma aula de idiomas, por exemplo, e tiver conhecimento na língua, pode acrescentar essa informação", orientou John.

5 - CURSOS COMPLEMENTARES

"As pessoas que estão em busca de estágio ou do primeiro emprego, geralmente, ainda não têm experiência profissional, por isso é importante procurar cursos de aprimoramento e novos aprendizados, como palestras, simpósios, workshops e congressos, sempre informando no currículo onde e quando foram realizados. Isso vai ser comparado entre os candidatos", adiantou. 

6 - EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 

A principal dica do especialista para este tópico do currículo é que os candidatos devem informar apenas os três últimos empregos, e não todos. Além disso, a ordem deve ser decrescente, começando pelo mais recente e terminando no mais antigo. "Quando o recrutador observa que o candidato atende a esta exigência do mercado, percebe que ele está por dentro e atento às mudanças dos currículos", disse Pinheiro. Já na entrevista o candidato pode falar sobre os primeiros postos de trabalho.

7 - REFERÊNCIAS PROFISSIONAIS

Neste item, é necessário informar o nome do antigo gestor e um número para contato, caso haja recomendações a serem feitas, mas John explicou que a ausência de referência não irá prejudicar o candidato.

8 - FOTOGRAFIA

Conforme explicado pelo analista de carreiras, não é necessário acrescentar foto no currículo, mas, se for colocada, o candidato não será prejudicado, a não ser nos casos em que a própria empresa solicite que haja foto. As recomendações são que a imagem deve ser quadrada, no modelo de 3x4, com fundo neutro, e que seja mais formal, com um sorriso leve, desde que seja apresentável e profissional.

9 - TOTAL DE PÁGINAS

Segundo Pinheiro, não há uma regra para o número de páginas que um currículo deve conter. Se o candidato informar todos os dados necessários em duas páginas ou em cinco o efeito será o mesmo.

"Se o currículo for curto, será ótimo porque não vai cansar o recrutador e nem ocupar muito de seu tempo. Mas se o profissional já atua há muitos anos, é natural que seja maior que os recém-chegados no mercado. Mesmo assim, é recomendável que esse candidato enxugue as informações que puder, retirando os cursos complementares que foram feitos há muito tempo", indicou John.

Outra orientação é sempre adaptar o currículo à vaga ofertada, mantendo apenas os cursos que tenham relação com a futura área de atuação.

10 - PADRÃO

A última dica de John Pablo Pinheiro é que o currículo não precisa conter cores diferentes, figuras, ilustrações e desenhos. Apesar de não ser proibido, especialmente nas áreas de comunicação, o ideal para o recrutamento é seguir um padrão básico e simples.

Economia