Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Brasileiros já pagaram R$ 1 trilhão em impostos em 2022; só os paraenses pagaram R$ 153 bilhões

No ano passado, este mesmo valor só foi alcançado em 19 de maio. Dinheiro dos impostos vão para as três esferas: federal, estadual e municipal

Keila Ferreira

O volume de impostos pagos pelos brasileiros neste ano chegou à marca de R$ 1 trilhão, às 1h37 desta terça-feira (3). No ano passado, esse valor só foi alcançado em 19 de maio. No Pará, neste ano, já foram pagos R$ 153 bilhões em impostos. Os números são do Impostômetro, ferramenta da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), criada em parceria com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT).

Para o cálculo, são considerados os valores totais pagos para a União, estados e municípios na forma de impostos, taxas, multas e contribuições. A ACSP informou em nota que a maior arrecadação observada neste ano é resultado da inflação elevada, que atualmente está acima de 10%.

Como é feito o cálculo dos impostos?

A base de cálculo do imposto é a grandeza econômica onde é aplicada a alíquota para calcular a quantia a pagar. Assista abaixo mais detalhes:

Quanto pago de imposto?

Pelo Impostômetro, o cidadão pode acompanhar quanto o país, os estados e os municípios estão arrecadando com tributos e também saber o que dá para fazer com todo o dinheiro arrecadado. Com mais de um trilhão de reais, é possível, por exemplo, comprar 2.775.496 unidades do carro BMW M2 2.0 ou 22.268.145 unidades do carro Citroen C3 Origine 1.5, além de mais de 1,4 milhões de apartamentos com três quartos, de 114 m² no Centro de Guarulhos, em São Paulo. Aplicado na poupança, esse dinheiro renderia R$ 134.716 por minuto.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA