Globo produz série em homenagem a obra de Domingos Oliveira

'Todas as Mulheres do Mundo' é o título da comédia romântica que está em fase de gravação

Clara Nazaré Nogueira da Costa

A poesia, o humor e a genialidade de Domingos Oliveira dão o tom à "Todas as Mulheres do Mundo", comédia romântica que está em fase de gravação nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro. A série faz uma homenagem à obra de Domingos, que morreu em março de 2019, aos 82 anos. Com 12 episódios, é uma releitura – adaptada aos dias de hoje – com reflexões filosóficas sobre a vida, o amor e a morte com um humor inteligente e refinado, características marcantes do universo do autor, diretor e dramaturgo.

“’Todas as Mulheres do Mundo’ é uma série sobre o amor, sobre liberdade. Domingos era um poeta da paixão. Era apaixonado pelo amor, pela vida e pela arte, e apresentava sua visão de mundo, sua originalidade, em tudo que produzia. A série será uma oportunidade para todos os brasileiros conhecerem a poesia de um grande artista”, afirma o autor Jorge Furtado, que escreve a obra com Janaína Fischer.

A cada episódio, novos personagens e participações especiais contam uma nova história de amor à primeira vista. Além de autênticas, inteligentes e livres, as lindas mulheres protagonistas dessa série têm em comum o fato de se relacionarem com o mesmo homem, uma de cada vez. Esse homem é Paulo (Emilio Dantas), um arquiteto apaixonado pela liberdade; pela poesia; e pelas mulheres. Por todas as mulheres. Do mundo. Paulo tem a paixão como combustível para a vida e se envolve de corpo e alma em cada uma das relações que vivencia. Mas também sofre profundamente quando é abandonado por elas. Por todas elas.

“A série é uma antologia de histórias de mulheres e suas diferentes formas de amar e o que liga essas mulheres é o fato de se relacionarem com o mesmo homem em algum momento de suas vidas e, por coincidência, o abandonarem”, adianta a diretora artística Patricia Pedrosa, que empresta seu olhar feminino para a obra. Patricia, aliás, fez questão de montar um time com várias lideranças femininas, como na produção, cenografia, figurino, produção de arte e caracterização.

A obra ganhou histórias e personagens inéditos – criados exclusivamente para o projeto – e contou com a valiosa contribuição do próprio Domingos, que ainda em vida leu roteiros e fez sugestões ao texto escrito pelos autores. Oito textos originais do dramaturgo foram usados como referência: “Todas as Mulheres do Mundo”; “Edu Coração de Ouro”, “Amores”; “Separações”; “Os Inseparáveis”; “A Primeira Valsa”; “BR 716”; e “Largando o Escritório”.

A presença de Domingos também se reflete no elenco. Além de Emilio Dantas, Sophie Charlotte (considerada uma das “musas” do dramaturgo), Matheus Nachtergaele, Martha Nowill, Maria Ribeiro e Lilia Cabral fazem parte do casting. Assim como atores que trabalharam ou conviveram com Domingos Oliveira, como a ex-mulher Priscilla Rozenbaum e a filha, Maria Mariana. Em meio a grandes nomes, se destaca a escolha proposital de atrizes menos conhecidas do grande público com a intenção de gerar, também na audiência, um amor à primeira vista.

Integralmente gravada no estado do Rio de Janeiro, "Todas as Mulheres do Mundo" tem o bairro de Copacabana, reduto de Domingos Oliveira, como o coração das cenas. Ao todo, 71 locações externas estão sendo usadas pela equipe de produção, representando 60% das gravações. A produção roda sequências também na Região Serrana do Rio de Janeiro e em cenários dos Estúdios Globo.

"Todas as Mulheres do Mundo" é uma série escrita por Jorge Furtado com Janaína Fischer, livremente inspirada na obra de Domingos Oliveira, com direção artística de Patricia Pedrosa.

Televisão
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM CULTURA