Sons do Pará difunde a música e os artistas paraenses

A santarena Priscila Castro acaba de estrear no projeto, que acolhe novos e consagrados nomes da música,

Enize Vidigal

Neste Dia Internacional do Músico, O Liberal ressalta o Sons do Pará, da TV Liberal, como importante meio de difusão e valorização dos artistas e da música paraense em todo o estado. A iniciativa possui um especial de fim de ano com diversas atrações e a exibição de videoclipes durante a programação. A cantora santarena Priscila Castro, que lançou pelo projeto o clipe da música “Carimbó com Merengue”, esta semana, comemora: “O Sons do Pará ajuda a furar uma bolha. Estou bem feliz. Meu clipe aumentou 1 mil visualizações no Youtube em 2 dias”.

Desde 2012, o Sons do Pará realiza o especial de fim de ano com diversas atrações. Por sinal, a edição de 2020 já foi gravada nos dias 4 e 5 de novembro, na Estação das Docas, com plateia virtual, obedecendo as recomendações das autoridades sanitárias. A exibição acontecerá nos sábados 5 e 12 de dezembro, na TV Liberal. O setlist ainda é surpresa para o público.

Em 2016, o projeto agregou a veiculação de videoclipes durante a programação da emissora, que já contemplou mais de 200 artistas. Em 2018, o Sons, que, iniciou veiculando clipes de artistas de Belém, passou a atender artistas de todo o estado. E, desde junho, a parceria com a TV Tapajós, de Santarém, ampliou o alcance de veiculação do projeto.

Atualmente, 12 artistas estão com videoclipes com duração de 1 minuto sendo exibidos ao longo da programação pelo período de três meses. “A premissa é valorizar a música paraense de todos os gêneros. Mais de 200 artistas já foram contemplados”, conta a coordena o Sons do Pará, Tathyana Cardoso.

“Estou tendo muitas interações no Instagram (desde que começou a exibição do clipe na TV Liberal). As pessoas veem na TV, filmam e me marcam. É realmente (um projeto) muito importante porque eu não teria como dialogar com outras cidades do Pará se não fosse com essa parceria (TV Liberal e TV Tapajós)”, conta Priscila. “Tenho recebido muitas mensagens de pessoas de Santarém que sentiam muita falta da nossa música ser representada a nível de estado. A nossa cultura (tapajônica) é muito forte”.

“Carimbó com Merengue” é uma composição de Jana Figarella, que fala da força, da alegria e da beleza da mulher amazônida. O clipe tem as participações especiais de Lia Sophia e das Suraras do Tapajós.

Novos e consagrados artistas na tela da tevê

Novos e consagrados artistas são contemplados no Sons do Pará. Atualmente, 12 cantores estão com videoclipes em exibição na TV Liberal. Um deles é o sertanejo Luann Kássio, com a música “O Mais Apaixonado”. “O Sons do Pará foi um divisor de águas na minha carreira”, afirma. Outro da lista é Marhco Monteiro, que com 30 anos de carreira, que estreou no projeto com o pop “Tudo Que Eu Agora Queria”: “O Sons do Pará é uma grande divulgação para os artistas do Pará, é uma coisa muito bem feita, sensacional”.

Também estão sendo veiculados, atualmente, Aíla com o pop “Amor e Sacanagem”; o rapper Cronixta com “Veropa”; o sambista Arthur Espíndola com “Falta de Nós”; a banda de pagode Jeito Inocente com “Vai e vem”; a sertaneja Manu Batidão com “Amor de Rapariga”; Lucas Gutierrez com o rock alternativo “Gabrielly”; o infantil Balada Kids com “Brincar de Circo”; e Jaafa Reggae com “Seja Forte”, sendo que, em breve, Reggaetown fará o próximo clipe de lançamento.

Marhco Monteiro comenta que é um “prazer” participar do Sons do Pará. “O retorno está sendo maravilhoso, todo mundo gostou. Uma música leve, que transporta a gente, que é praiana, verão”. A faixa integra o CD “Simples Assim”, que Marhco lançou em 2015. “É um programa democrático, maravilhoso, fantástico”.

Anteriormente, Luann Kássio exibiu no Sons os clipes de “Faixa 6” e “Batom Vermelho”. “O projeto levou a minha música a lugares que eu não havia chegado. Recebo mensagens de de paraenses que moram em outros estados e países e também do Sul do Pará. Às vezes, as pessoas já tinham ouvido a música, mas não sabia quem era o cantor e a tevê leva o nosso rosto, além da música”.

Aíla, que lançou “Amor e Sacanagem” em parceria com Luísa Nascim, disse que conseguiu ter uma “conexão muito especial com o público do Pará” através do projeto, já que ela reside em São Paulo. “Todo dia recebo dezenas de mensagens nas redes sociais e youtube, de pessoas que tem assistido o clipe na tevê, em Belém, Santarém e outros cantos. Esse projeto é fundamental pra ecoar a nossa música contemporânea", celebra.

Arthur Espíndola participa do Sons do Pará desde 2016, pelo qual já exibiu os clipes de “Tempo Deus”, “O Amor Que Eu Sempre Quis”, “Pra Parar de Sofrer” e, agora, “Falta de Nós”. “É uma visibilidade muito grande, o Sons do Pará. A gente sente a diferença até no interior do estado, as pessoas comentam nas redes sociais. Tem gente que até pergunta: ‘quem aqui veio pelo Sons?’ É bacana”.

A coordenação do Sons do Pará recebe, por dia, cerca de dia seis a sete solicitações para a exibição de videoclipes. “A gente não consegue exibir todos porque é uma quantidade grande de artistas (que chega)”, explica Tathyana Cardoso. A seleção é criteriosa e busca variar os gêneros musicais, mantendo a proposta de valorização da música paraense.

“Quando um clipe é incluído no Sons do Pará, é realizado o lançamento simultâneo com entrevistas na Rádio Liberal, site da TV Liberal e portal Gshow”, detalha.

Música
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MÚSICA

MAIS LIDAS EM CULTURA