Festival mostra o caráter antropológico em produções audiovisuais

A IV edição do Festival Internacional de Filme Etnográfico do Pará começa nesta quinta (20) e vai até dia 26

Bruna Lima

O público que curte conhecer diferentes culturas vai ter a oportunidade, a partir de quinta-feira (20), durante a IV edição do Festival Internacional de Filme Etnográfico do Pará. A programação vai se dividir entre o Cine Líbero Luxardo e Casa das Artes até o próximo dia 26, quando será feita a divulgação dos premiados. O evento é totalmente gratuito.

VEJA MAIS

Melhor filme do Festival de Gramado “Noites Alienígenas” abrirá exibição do Amazônia Fidoc
O longa exibido pela primeira vez na Amazônia foi premiado em um dos mais importantes festivais de cinema do Brasil

Filme premiado, exposição e livro '5 Casas' chegam a Belém
O gaúcho Bruno Gularte Barreto revisita o passado para revelar histórias do Brasil presente.

Esse ano, o festival traz duas novidades: a primeira é que ele se tornou anual, e a segunda, terá alcance internacional. Para Alessandro Campos, que é coordenador geral do evento junto com Denise Cardoso, esse crescimento mostra que o audiovisual no Brasil e em vários outros cantos do mundo só vem crescendo. 

Uma prova disso é baseada no número de inscritos para a edição deste ano, que resultou no recebimento de 340 filmes do Brasil, de outros países da América Latina e também de outros cantos do mundo. "A gente consegue medir isso a partir da avaliação de cada ano que vai passando. E o que a gente vê é que só cresce, mas eu não canso de falar que o que a gente precisa é só de incentivo. Com a lei Aldir Blanc o número de produções aumentou e ficamos felizes com isso", destaca o coordenador do evento.

As produções pré-selecionadas vão concorrer ao Prêmio Jean Rouch - Filme Etnográfico, que é destinado às produções que têm um caráter antropológico. Nessa categoria, as premiações serão para melhor curta, média e longa-metragem. São elas o Prêmio Divino Tserewahú - Cinema Indígena, destinado a filmes produzidos por indígenas e que também vai premiar o melhor curta, média e longa-metragem; e o Prêmio Patrícia Monte-Mor - Cultura Popular em homenagem a antropóloga de mesmo nome, que morreu de Covid-19 no início deste ano.

Alessandro explica que a diferença deste para outros festivais de cinema é que as produções devem respeitar o caráter antropológico. "Os filmes precisam ter como base a ciência antropológica, que descreve uma cultura a partir de como os povos dessa cultura desejam ser vistos. O principal objetivo é respeitar e mostrar as pessoas como elas gostam de ser vistas, pois, dessa forma evitamos o exótico e, principalmente o preconceito, a discriminação e o racismo. O festival carrega essa militância", explica o coordenador do festival.

Além de promover entretenimento e conhecimento, o festival tem como objetivo de sensibilizar as pessoas a conhecerem as diferentes culturas afastadas de um olhar exótico. O trabalho surgiu a partir de uma demanda percebida pela coordenação desde que estava atrelada a outro projeto e já recebia material audiovisual enviasdo espontaneamente para mostrar durante o evento.

"A partir disso, percebemos que havia uma demanda e um público interessado nesse tipo de conteúdo. Quando começamos o festival ele era bianual, mas a partir dessa edição ele passa a ser anual e internacional", destaca o coordenador.

Os filmes premiados vão receber troféus e certificados, mas, o coordenador do evento almeja conseguir futuramente recursos em dinheiro para os participantes. 

Serviço: 

IV Festival Internacional de Filme Etnográfico do Pará

Data: de 20 a 26 de outubto

Local: Cine Líbero Luxardo e Casa das Artes

Palavras-chave

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA