Artista indígena confecciona bonecas para incentivar a educação e representatividade

A ideia de produzir bonecas indígenas tem como propósito principal fazer com que as crianças tenham um entendimento maior sobre a cultura dos povos tradicionais

Bruna Lima

Um exemplo de como unir arte e representatividade está no trabalho da indígena We’ e’ Ena Tikuna, que atua com confecções de bonecas indígenas que divertem e contam histórias para o público infantil. Além de um brinquedo, a arte de produzir essas bonecas é um ato de resistência e de contribuição com a educação e a arte indígena. We’ e’ Ena Tikuna decidiu começar o trabalho em 2019, depois que participou de um desfile de moda em São Paulo que misturou roupas e adereços indígenas.

VEJA MAIS

Dia do Índio: veja 5 influenciadores indígenas que fazem sucesso na internet
Conheça jovens ativistas que usam as redes sociais para ampliar a divulgação da cultura indígena

Ativista indígena Márcia Kambeba estreia programa 'Amazoniando'
A série de entrevistas em live começa a ser exibida nesta quinta-feira, 20.

“Foi o pontapé inicial para eu mostrar para o público a nossa cultura e ser a protagonista da minha própria história, pois é comum estilistas mostrarem as nossas peças, mas não o próprio indígena ser o responsável pela coleção”, pontua We’ e’ Ena Tikuna. A partir desse trabalho e por conta da chegada da pandemia, ela lançou um olhar mais profundo para as crianças.

E diante da percepção do mundo ao redor, decidiu criar uma coleção com oito bonecas que, além da função primária, de ser um brinquedo infantil,  carregasse a história dos povos originários e contribuísse para que as crianças tivessem um entendimento maior sobre a cultura indígena, “que por muito se resumiu à ideia de um povo que usa arco e flexa”, destaca a indígena.

Com isso, We’ e’ Ena começou a produzir as bonecas, que são feitas de forma totalmente artesanal e contam a história de seu povo. “O povo Tikuna, por exemplo, carrega no rosto a pintura como forma de identidade e essa representatividade é mostrada pelos clãs de animais. ‘We’e’Ena, significa 'onça que nada para o outro lado do rio', por isso eu pinto no meu rosto traços de uma onça. E é dessa forma que nós nos identificamos”, explica a influenciadora indígena.

Além da pintura de onça, o povo Tikuna também é representado por casco de tartaruga, escama de peixe, pele de cobra, entre outras simbologias inspiradas na natureza. “A nossa cultura e a nossa representatividade estão inspiradas no que está na natureza. E muitas pessoas não sabem da nossa história. Por isso, quando pensei na boneca, pensei como forma de levar entretenimento e educação. É um brinquedo que conta uma história e também educa”, destaca a indígena Tikuna.

As bonecas são confeccionadas a partir de demandas, pois a questão da sustentabilidade é um fator importante para a responsável pelas confecções. Ela só produz a partir dos pedidos feitos. Os pedidos podem ser realizados por meio do instagram @weena_tikuna.

“Cada uma tem seu nome e cada uma leva a sua originalidade. É muito importante incentivar as crianças com o olhar fraternal, próspero e amigável. A nossa luta é para acabar com o preconceito contra os indígenas. Somos todos irmãos”, avalia.

We’ e’ Ena Tikuna é uma artista indígena brasileira do Estado do Amazonas que fez história, em 2019, ao tornar-se a primeira indígena a protagonizar um desfile de Moda no Brasil, o Eco Fashion Week, onde lançou as coleções Éware e No´e. Todas as suas criações representam a cultura Tikuna, nome do povo e da língua dos ameríndios que habitam a zona fronteiriça entre o Brasil, a Colômbia e o Peru.

Palavras-chave

Cultura
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM CULTURA

MAIS LIDAS EM CULTURA