Rodolfo Marques

Rodolfo Silva Marques é professor de Graduação (UNAMA e FEAPA) e de Pós-Graduação Lato Sensu (UNAMA), doutor em Ciência Política (UFRGS), mestre em Ciência Política (UFPA), MBA em Marketing (FGV) e servidor público (Poder Judiciário do Pará)

Xadrez político brasileiro continua em grande movimento

Rodolfo Marques

A semana política brasileira continuou como um “turbilhão”, a partir de várias movimentações que chamaram a atenção. Em destaque, a nova cirurgia do presidente Jair Bolsonaro; a demissão de Marcos Cintra na Receita Federal; as declarações do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) sobre a democracia brasileira, no Twitter; e a movimentação de Augusto Aras para ser o novo Procurador-Geral da República.

No último domingo (8), o presidente da República se submeteu a mais uma cirurgia, desta vez, para tratar de uma hérnia abdominal. A operação é ainda reflexo da facada sofrida pelo então candidato à Presidência da República em setembro de 2018, em Juiz de Fora-MG. Convalescente, Bolsonaro continuou fazendo manifestações políticas e confirmou que irá, no dia 24 de setembro, à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, para falar, em especial, sobre a questão amazônica. Neste ínterim, o presidente em exercício do Brasil é o general Hamilton Mourão.

Durante a semana, na quarta-feira (11.09), houve a demissão do então secretário da Receita Federal, Marcos Cintra. Ele vinha defendendo a criação de um novo imposto que se assemelharia à antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Este movimento de Cintra teria sido o “gatilho” para que ocorresse sua exoneração por parte do ministro da Economia, Paulo Guedes. Todavia, é importante destacar que, no contexto da reforma tributária, o próprio Guedes vem considerando a possibilidade de criação de novas taxas e impostos para promover o equilíbrio das finanças públicas.

E, com sua forma usual de gerar polêmicas desnecessárias, o filho “02” do presidente da República, Carlos Bolsonaro, publicou em seu Twitter que por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não aconteceria na velocidade almejada. A fala de Carlos foi duramente rechaçada pelo vice Hamilton Mourão, pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e pelo presidente da Câmara Federal, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Carlos Bolsonaro, que usa basicamente as mídias e redes sociais para se “comunicar”, faz, novamente, manifestações antidemocráticas que nada agregam ao cenário político brasileiro.

Já no contexto da transição de poder no Ministério Público Federal, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, fez seu último discurso falando sobre a necessária prevalência dos valores democráticos. Após dois anos de uma gestão um tanto tímida, nas últimas semanas, Dodge mudou sua postura e o tom em relação a Jair Bolsonaro, em especial a partir do momento em que viu que não tinha mais chances de ser reconduzida ao cargo de PGR. Em paralelo, o procurador Augusto Aras, indicado por Bolsonaro para comandar o MPF no biênio 2019/2021, continuou sua peregrinação nos gabinetes do Senado Federal para buscar apoio dos membros da Casa. Lembra-se que Aras precisa da aprovação dos senadores para ocupar o cargo de procurador-geral da República.

Em nível regional, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), continua seu périplo pelos veículos de comunicação, concedendo entrevistas e consolidando sua posição de liderança política nacional. Ao falar de temas como o combate aos incêndios na Amazônia e o da pauta de segurança pública, Helder vem mantendo sua popularidade no Estado e ampliando sua representatividade na política do Brasil.

Tanto Bolsonaro quanto Helder buscam, junto aos seus públicos, posições de protagonismo político, de acordo com os cargos para os quais foram eleitos. Vive no contexto da democracia representativa e a política se consolida, uma vez mais, como o melhor caminho para a dissolução de querelas e a resolução de problemas econômicos e sociais.

Rodolfo Marques
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM COLUNAS E BLOGS